domingo, 22 de novembro de 2009

O SEMEADOR DE SONHOS




Andou sozinho por muito tempo e aprendeu a ouvir com atenção aquilo que os outros diziam. Não que ele fosse ausente de palavras, mas soube que havia um motivo quando Deus dotou o ser humano de um par de orelhas e apenas uma boca. Ele ouviu e aprendeu, e enquanto caminhou sozinho, conheceu a si mesmo e ao mundo que o cercava. Houve dias em que a solidão pesou como uma rocha contra seu peito, noutros, era a liberdade que precisava para curar suas feridas. E foi assim até que pode iniciar a semeadura.
Por onde andou falou a linguagem que aprendera com o seu coração e o coração da humanidade. Falou de perdão e de amor, da possibilidade de um mundo fraterno e justo, da igualdade inerente a cada ser da espécie humana, grande e amada família de Deus.
Seus sonhos eram os sonhos da aurora da criação. Por onde passou procurou motivar virtudes e nunca se prendeu a normas e preconceitos. Onde muitos acusavam ele compreendia e exortava, onde muitos tentavam construir prisões ele abria portas e construía pontes.
Não buscou a glória, não se corrompeu nem se eximiu do anuncio do seu sonho de amor e liberdade. E por viver plenamente a vida, denunciar as injustiças e semear o mais belo sonho já nutrido à humanidade, foi silenciado ao custo de sua vida.
Sua mensagem venceu a morte e atravessou dois milênios. Não deixemos que se perca em nosso egoísmo.

CASA VELHA




Elevada com barro e madeira
Chão batido no forró
A tinta quase por derradeira
Depois poucos móveis e bater o pó
Casa velha da estrada
Casa velha, meu coração dá um nó
Casa de alpendre
Arrumada
Casa da minha avó

A casa é grande, a gente amistosa
Alpendre na varanda
Plantas, flores e sombra gostosa
Duas janelas, uma porta aberta
Compõe a paisagem frondosa
Casa velha da estrada
Sua história é gloriosa

Na frente um grande pé de mulungu
No terreiro árvores e criação
Galinha, guiné, e na parede a gaiola
Perto tem curral de gado e de guarda um cachorro bão
De noite antes de dormir se reza o terço
Dedicado a Maria com amor e devoção
Casa velha da estrada
Faz doer meu coração

Casa velha sem camas nos quartos
Onde todo mundo dormia na rede
Sempre acordando cedinho
Buscando água de cacimba para saciar a sede
Sentados na mesa grande de madeira
Numa alegria que não se mede
Falando de boca cheia
Aquilo que o peito pede

Casa velha de cantoria
Forró, festa e reunião
Do namoro escondido
Das cartas de sim ou não
Na glória de minha vida
Foste minha grande paixão

Agora estás mudada
O tempo te levou a cor
Acabaram-se tuas festas
Os terços em louvor
Mas enquanto este coração bater
Serás meu primeiro e eterno amor!

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Educador na vida

* A Cícero Moreno

Veio ele na aurora dos sonhos, vencendo obstáculos impostos pela vida. Com a coragem típica dos que dedicam a vida a uma causa. Acreditando no inacreditável foi capaz de ver um castelo sobre as nuvens e iniciou a única jornada possível para alcançá-lo: construiu sólidos alicerces na terra. Semeador de sonhos, confiou naqueles em que poucos confiariam e fez de estranhos uma família unida e amorosa. Compôs para si e para o mundo onde vive uma bela e rara sinfonia de amor. Pai amoroso, marido dedicado, motivador de sonhos e transformador da realidade: educador por excelência. Não foi aprisionado por quatro paredes nem cercado por carteiras, foi ladeado por colunas firmes e compartilhou da sua vida com os mais jovens. Não confundiu o seu papel e quis ser pai da multidão, mas foi fraterno e compreensivo como os lidere ternos que a humanidade necessita.
De ti aprendi muito do pouco que sei. Por isso tenho o orgulho de te dedicar essas linhas,
Meu professor na escola da vida!

Manifesto do ser romântico

Inspirado em Thiago de Melo

Fica decretado
Que a partir deste dia
É a todos facultado
O amor a poesia

A partir de hoje
Ouça-se a suave melodia
Que a todos deve encantar
Como encanta a cotovia

A partir de hoje
E não mais se adia
Deve-se amar a simplicidade
E sentir essa real alegria

Alegria por viver
Por existir onde antes não se existia
Por poder repensar a vida
Sem se entregar a melancolia

A partir de hoje
Fica proibido a apatia
Diante do milagre maravilhoso
Que é o dia-a-dia

Que sem mais demora
Se possa amar com rebeldia
Sem ter medo de se entregar
A essa chama que queimava e não ardia

Que arda o coração
Livre de toda invídia
Que se ame com tudo o que pode
Numa plena alegria

Que se entenda que nessa vida
A falsidade torna a existência doentia
E que apenas quem ama
Pode dizer que foi feliz no derradeiro dia

quarta-feira, 18 de novembro de 2009




Preciso de você,
Seja como for
Seja como amante
Amiga ou eterno amor

Preciso de você
Como o orvalho da flor,
Presente, exultante
Nos dias de frio ou de calor

Preciso de você
Com fé e pudor
Casta ou provocante
Com seus beijos em fervor

Preciso de você
Como a vida de calor
Como um trovão distante
Que anuncia da tempestade o furor

Preciso de você
Para aferir valor
A jornada desse caminhante
Que sem teus passos perde o sabor

Enfim, preciso de você
Como quem não precisa de mais nada
Pois com você meu amor
Já tenho em mim a parte desejada.

OPERÁRIOS INÚTEIS



Na escuridão da estrada vislumbro faróis de esperança. Fachos de luz que iluminam o caminho, numa majestosa alegoria de vida. Mesmo a escuridão mais densa é finita, sendo quebrantada por luzes passageiras que prefiguram em si a luz derradeira da esperança, da liberdade, da vida plena que vence a morte.
Luzes no caminho, vozes no deserto, sinais a orientar aqueles que buscam o caminho. Sinais finitos, semelhantes aos círculos gerados pela pedra que arremessamos no meio do lago, pequenos no inicio e maiores no fim.
As luzes da estrada lá estão não para ofuscarem os outros com seu brilho, mas para salvaguardar os caminhantes, aqueles que sabem do caminho e aqueles que estão no caminho mesmo desconhecendo o lugar para onde querem ir. Luzes operárias inúteis, pois ao fim da noite nada fizeram além da sua função, mas ao mesmo tempo, luzes inúteis imprescindíveis, pois não há como sem elas atravessar a escuridão sem riscos de se perder enquanto aguardamos o sol do novo e perpetuo grande Dia.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

LEÃO DA ILHA PEDE ANULAMENTO DA PARTIDA NO PALESTRA ITÁLIA

Reproduzo aqui notícia do msn esportes:


Sport pedirá anulação do jogo com o Palmeiras
Silvio Guimarães diz que erro foi absurdo e reclama de descaso com nordestinos

Elmo Resende Cunha foi afastado pela CBF

Alessandro da Mata
SÃO PAULO

Entre em contato


O Sport pedirá nesta sexta-feira a anulação do jogo contra o Palmeiras, sob a alegação de erro de direito do árbitro Elmo Resende Cunha, de Goiás. Segundos antes do gol de Danilo, o juiz apitou paralisando a jogada. Mas fez de conta que nada havia acontecido e confirmou o empate por 2 a 2 nesta quarta-feira, no Palestra Itália.

- O que aconteceu foi um absurdo. O lance foi legal, mas ele errou. Quero ver se agora vai adiantar acionarmos a Justiça - esbravejou o presidente Silvio Guimarães.

CBF afasta Elmo Cunha até o fim do Brasileirão

O departamento jurídico do Sport busca imagens da partida para sustentar a tese de desconhecimento da regra por parte do árbitro. Esse é o único caso em que a partida pode ser impugnada e repetida, de acordo com o previsto no Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD).

Diretoria do Sport bate cabeça sobre anulação

A representação já está sendo formulada e será remetida ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Assim que chegar, em dois dias a procuradoria deve se pronunciar.

O Sport tem dúvidas de que o pedido será acatado. Isso por conta do que chamam de má vontade da CBF e dos órgãos submetidos a ela. O STJD é remunerado pela entidade.

- Reclamamos por meio de ofício do Paulo César de Oliveira. Mas colocaram ele para apitar o nosso jogo subsequente, contra o Atlético-MG. Eu peguei um baita gancho por falar mal do Simon. E até agora não fizeram nada contra o Belluzzo - argumenta Silvio Guimarães.

Para o vice-presidente, suspenso, Guilherme Beltrão, o melhor seria apenas uma reclamação formal. Dada a forma com a qual o clube foi tratado ao longo do Brasileiro.

- É sempre igual. O povo daqui de cima não tem vez. Nos consideram menores que os outros - chia.

A Comissão de Arbitragem da CBF já decidiu afastar o árbitro Elmo Resende Cunha até o fim da competição. O motivo alegado é "falha técnica".

Por fim, Elmo Cunha dá gol para Diego Souza
-------------------------------------------------------------------------------------------------

Não é novidade a postura preconceituosa que a CBF adota com os times do Nordeste, tão pouco é novo o descaso dos órgãos midiáticos, que tentaram omitir ou divulgaram de forma banal a atitude do árbitro, frisando apenas que um dos jogadores do Sport dava posição para que o gol não fosse impedido. O que se trata não é de um gol impedido ou não, mas de um árbitro que paralisou intencionalmente a defesa do time pernambucano para que o Palmeiras pudesse marcar, conseguir o empate e se manter na liderança.
O caso foi tão vergonhoso que o árbitro da partida não registrou na súmula a reclamação (e agressividade) de toda a defesa do Sport e errou o nome do autor do gol do Palmeiras.
A CBF divulgou nesta quinta-feira a súmula do árbitro no empate por 2 a 2 entre Palmeiras e Sport, na última quarta-feira, no Parque Antarctica, e nela, além do crédito errado do gol, não consta nenhum relato do polêmico lance. Elmo também errou o tempo do gol, já que colocou que foi aos 42min do segundo tempo, sendo que o lance foi três minutos antes.
O campeonato Brasileiro talvez não possa mais ser chamado de campeonato esportivo, tendo em vista o lobb e a manipulação perceptível de alguns resultados. Quem sabe não devamos chamá-lo de "campeonato sulista com transmissão nacional"?
P.S. Ainda estou indignado com tudo isso!

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

BELA VENTUROSA



A jovem chama-se Cristiane, tem 20 anos e 1,70 de altura. O seu signo é o de Touro,
o símbolo da produtividade e persistência, do ritmo lento e decidido, que transparece um pouco da sua personalidade. Decidida a realizar seus sonhos, a jovem reside atualmente na cidade de Caruaru.
Dentre as coisas que ela desaprova esta a inveja, sentimento nutrido por pessoas negativas e que acaba por prejudicar muito o desenvolvimento pessoal.
Cristiane, com sua beleza e simpatia, ilustra a primeira postagem do BELA VENTUROSA neste novo endereço!




quarta-feira, 11 de novembro de 2009


Essa é de lascar o cano!!!

Os amigos perdoem-me a franqueza: nunca fui fã do Arthur Virgílio. Não aprovei a cruzada pelo fim da CPMF - único imposto livre de fraudes por parte do contribuinte - e pelo discurso dúbio do senador. Num primeiro momento - Governo FHC - a CPMF era a salvação para os cofres públicos e a saúde do país. Num segundo - Governo Lula -, a CPMF era a violação dos direitos do povo e um sinal de opressão para com os despossuídos. Bem, mas não escrevo essas linhas para tratar da vida política do Senador Arthur Virgílio. Nessa vida, temos de reconhecer quando alguém usa do bom senso e aponta erros grotescos por parte de autoridades ou funcionários públicos. Reproduzo aqui uma nova divulgada pela Agência Senado (cligue aqui para ler o original: http://www.senado.gov.br/agencia/verNoticia.aspx?codNoticia=97255&codAplicativo=2&codEditoria=2):

Arthur Virgílio critica multa a rapaz que matou cobra para se defender

A notícia de que um rapaz matou uma cobra que o havia atacado e, em seguida, foi multado em R$ 800 pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) foi tema do pronunciamento do senador Arthur Virgílio (PSDB-AM) nesta terça-feira (10). Ele afirmou que "essa história, ocorrida no Amazonas, é grotesca e acaba por ridicularizar a causa ambiental".

- O rapaz, então, para economizar 800 reais, deveria ter morrido - ironizou o parlamentar, destacando que a cobra em questão é a sucuriju, conhecida por seu tamanho e por matar suas vítimas por esmagamento.

Arthur Virgílio disse ainda que o Ibama precisa identificar quem foi o funcionário que cobrou a multa, para demiti-lo. Para ele, o caso "é um exagero que mistura arbitrariedade com o ridículo, sendo atroz para a vida do caboclo humilde do estado". Além disso, frisou que "o instituto tem missão mais nobre a cumprir".

O senador pelo Amazonas declarou ainda que "são gestos como esses que fazem do Ibama uma entidade pouco apreciada no estado, pois ela funciona como se fosse uma falange fascista". Por meio de apartes, ele recebeu o apoio dos senadores Jefferson Praia (PDT-AM), Cristovam Buarque (PDT-DF), José Agripino (DEM-RN), Rosalba Ciarlini (DEM-RN), e Antônio Carlos Valadares (PSB-SE).

Ponto posítivo para o Sr. Arthur Virgílio! Queria ver se a cobra tivesse matado o sujeito. O fiscal ia lá obrigá-la a pagar multa? E quanto vale a vida de um ser humano comum para os fisciais dos diversos órgãos públicos de nosso país?

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

video

Menina de Doze Anos - Poeta Marximino Bezerra

video

Os Estatutos do Homem - Thiago de Mello

Artigo I

Fica decretado que agora vale a verdade. Agora vale a vida, e de mãos dadas, marcharemos todos pela vida verdadeira.

Artigo II

Fica decretado que todos os dias da semana, inclusive as terças-feiras mais cinzentas, têm direito a converter-se em manhãs de domingo.

Artigo III

Fica decretado que, a partir deste instante, haverá girassóis em todas as janelas, que os girassóis terão direito a abrir-se dentro da sombra; e que as janelas devem permanecer, o dia inteiro, abertas para o verde onde cresce a esperança.

Artigo IV

Fica decretado que o homem não precisará nunca mais duvidar do homem. Que o homem confiará no homem como a palmeira confia no vento, como o vento confia no ar, como o ar confia no campo azul do céu.

Parágrafo único: O homem, confiará no homem como um menino confia em outro menino.

Artigo V

Fica decretado que os homens estão livres do jugo da mentira. Nunca mais será preciso usar a couraça do silêncio nem a armadura de palavras. O homem se sentará à mesa com seu olhar limpo porque a verdade passará a ser servida antes da sobremesa.

Artigo VI

Fica estabelecida, durante dez séculos, a prática sonhada pelo profeta Isaías, e o lobo e o cordeiro pastarão juntos e a comida de ambos terá o mesmo gosto de aurora.

Artigo VII

Por decreto irrevogável fica estabelecido o reinado permanente da justiça e da claridade, e a alegria será uma bandeira generosa para sempre desfraldada na alma do povo.

Artigo VIII

Fica decretado que a maior dor sempre foi e será sempre não poder dar-se amor a quem se ama e saber que é a água que dá à planta o milagre da flor.

Artigo IX

Fica permitido que o pão de cada dia tenha no homem o sinal de seu suor. Mas que sobretudo tenha sempre o quente sabor da ternura.

Artigo X

Fica permitido a qualquer pessoa, qualquer hora da vida, uso do traje branco.

Artigo XI

Fica decretado, por definição, que o homem é um animal que ama e que por isso é belo, muito mais belo que a estrela da manhã.

Artigo XII

Decreta-se que nada será obrigado nem proibido, tudo será permitido, inclusive brincar com os rinocerontes e caminhar pelas tardes com uma imensa begônia na lapela.

Parágrafo único: Só uma coisa fica proibida: amar sem amor.

Artigo XIII

Fica decretado que o dinheiro não poderá nunca mais comprar o sol das manhãs vindouras. Expulso do grande baú do medo, o dinheiro se transformará em uma espada fraternal para defender o direito de cantar e a festa do dia que chegou.

Artigo Final

Fica proibido o uso da palavra liberdade, a qual será suprimida dos dicionários e do pântano enganoso das bocas. A partir deste instante a liberdade será algo vivo e transparente como um fogo ou um rio, e a sua morada será sempre o coração do homem.

Santiago do Chile, abril de 1964

domingo, 8 de novembro de 2009

Venturosa

Venturosa cidade de interior.
Não que o progresso não tenha chegado,
já temos “asfalto”, internet, celular
e muita confusão,
nosso comércio cresce
junto com a população,
tanta casa reformada,
tantas em construção.
Venturosa
que uns dizem ter nascido de uma fazenda,
outras de um lugar de pouso,
Venturosa
fruto da fé e do trabalho do povo.
Venturosa é poesia,
como os cabelos de Maria,
a balançar pelo vento,
bonita como a morena faceira,
feliz e dançadeira,
fonte de contentamento.
Mas Venturosa
Para onde vai nesse caminho
Perdendo tua razão?
Teu Ipanema era antes um sorriso,
agora é preocupação,
pois Venturosa cresce,
mas não sem complicação.
O Ipanema
morrendo vítima do descaso,
o povo que joga lixo,
o esgoto poluído,
envenenando tuas águas,
tornando-as pretas como um tacho.
Rio dos bois e Campo Grande
vão no mesmo caminho,
não há preocupação,
a água vai se poluindo.
Não percebe a população
a construção de um cruel destino?
A Ingazeira afamada,
barragem infinda.
Com o desmatamento dos leitos
dos rios está quase entupida!
E nossa Pedra Furada?
Cenário de deslumbramento,
beleza sem igual!
Pelo descaso da nossa gente,
coberta com tinta e cal!
Pinturas dos nossos antepassados,
milhares de anos de passado,
coberta sem compaixão,
e no lugar da história,
um monte de pichação!
Nossas festas tão belas
caindo no esquecimento.
Abandonamos o pastoril,
a Paixão de Cristo,
para festejar no cimento,
ouvir música safada,
ver dançarina quase pelada
e esquecer a tradição.
Pouco a pouco somem as fogueiras,
deixamos de dançar quadrilha,
assar milho na brasa,
as velhas simpatias,
pra saber se casa ou não,
escolhemos o “progresso”
esbagaçando nosso coração!
O filho não pede a benção
A mulher não respeita o marido
Até o mais simples namoro
Tem de ser colorido
Quanto mais a mostra
Se diz mais bonito

Onde está a poesia?
A cantoria de pé-de-parede?
Esquecemos de como é gostoso
Dormir numa rede
Jantar na mesa grande
Na maior união
Hoje se como em pé
Ou no quarto
Cada um pro seu lado
Todo mundo de frente pra televisão
Foram embora as serenatas
Cabelos amarrado em fita
Foi-se o tempo do cinema
Das serestas do clubinho
De andar de mão dada
Roubar beijo rapidinho
Guardando no coração
Agora é festa na quadra
Avião, saia rodada
E só a pegação

Tenho saudade do tempo
Em que sonhar era possível
De correr na chuva
Tomar banho de rio
De ver a rua enfeitada
Fogueira em frente da calçada
Quadrilha, pastoril
Do leilão, da cavalhada
Dos jogos no campo do Vec
Das corridas de prado no domingo
Como eras arrumada
Igual a namorada
Nos dias de cheiro em flor
Venturosa adorada
Cidade do meu amor
Desejo que cresças sem medida
Tenha progresso e oportunidade
Mas que cresças da forma certa
Sem perder tua identidade
Pois um progresso sem consciência
Que destrói a tradição
Gera violência
Pobreza e corrupção
Cresça em sabedoria
Se tornando melhor cidade
Cresce em conseqüência
Da tua maturidade
Não esquece das coisas simples
Do que te fez cidade!

sábado, 7 de novembro de 2009

Simbora pro passado ou me torne a esperança

Desculpe o erro de português
Meus leitores intelectuais
Mas prefiro o matutês
Para palavras rimais

Quero ir para o passado
Já que lá era mais fácil
Nada era complicado
Era cheiro a afago
Riso e colo macio

Quero o passado de volta
A brincadeira de criança
Assoviar, brincar de roda
Andar de cavalo de pau
Pintar de verde a esperança

Quero o abraço de vovó
Brincar de bacondê
Barra bendeira
Anel e fita
Quero o beijo de Anita
Primeiro e derradeiro
Festa de aniversário
Lamber colher de brigadeiro

Quero o sete de setembro
Meias brancas e sapatilhas
As fanfarras na rua
Em junho as quadrilhas
Quero retroceder no tempo
Andar em lombo de jumento
Achando que é cavalo
Quero correr de braços abertos
Voando sem sair do chão
Quero de volta a inocência
Que teimam em tirar do meu coração

Talvez não seja seguro voltar
Porque vou querer descometer
Os erros que cometi
E se não tivesse errado até doer
Não poderia dizer que aprendi
Então vencendo a saudade
Não quero mais tornar a ser criança
Que eu permaneça com essa idade
Mas só me torne a esperança.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

SONETO DO AMIGO

Enfim, depois de tanto erro passado
Tantas retaliações, tanto perigo
Eis que ressurge noutro o velho amigo
Nunca perdido, sempre reencontrado.

É bom sentá-lo novamente ao lado
Com olhos que contêm o olhar antigo
Sempre comigo um pouco atribulado
E como sempre singular comigo.

Um bicho igual a mim, simples e humano
Sabendo se mover e comover
E a disfarçar com o meu próprio engano.

O amigo: um ser que a vida não explica
Que só se vai ao ver outro nascer
E o espelho de minha alma multiplica...

Vinicius de Moraes

ÉTICA É FUNDAMENTAL



Parafraseando o imortal poeta Vinicius de Moraes, que versou sobre a necessidade da beleza na vida, inicio esse artigo solicitando que aqueles que não concordam me perdoem, mas na política ética é fundamental.
A discussão sobre ética e política não é nova. Desde os fundamentos da ciência política, Maquiavel afirmou que “os fins justificariam os meios”. Outros pensadores lançaram outras pedras no alicerce do pensamento político. Montesquieu defendeu a tripartição dos poderes em três esferas harmônicas e independentes entre si. O filósofo havia entendido que “apenas o poder limita o poder”. Jean-Jacques Rousseau, já no século dezoito afirmou que “a soberania reside no povo”, soberania essa que expressaria a vontade da maioria por meio do voto.
Muitas revoluções ocorreram e muito sangue foi derramado ao longo dos séculos para que os Estados se transformassem em democracias e que o povo pudesse expressar sua vontade. A história da nossa América Latina é marcada por lutas contra as mais diversas opressões. As ditaduras foram vencidas e o povo foi as ruas pelo sagrado direito de decidir sua vida e sua história. O Brasil foi palco de movimentos estudantis, movimentos pela reforma agrária e pelo voto direto para a escolha do presidente. O povo brasileiro marchou junto, de cara pintada, para depor um presidente corrupto, e num só sentimento sentiu a felicidade da vitória.
Já se passaram alguns anos, desde que saímos as ruas para exigir uma postura ética de nossos políticos. Os casos de desvios, fraudes, mau uso do dinheiro público e os infelizes exemplos de vários homens públicos que usaram de sua influência para assegurar vantagens pessoais ou favorecer a quem bem desejaram, de políticos que confundiram o público com o privado, que enriqueceram ilicitamente e que são acusados ou culpados de graves atentados contra a vida parecem ter minado nossa capacidade de indignação. É como que tudo fosse permitido porque sempre foi assim!
A Igreja Católica tem uma bela caminhada ao lado dos movimentos populares, tendo na voz dos seus mártires e profetas modernos o anúncio do Reino de Deus, que deve ser vivido, mesmo que de forma embrionária, já neste mundo. Os muitos justos que animados pelo mesmo Espírito de verdade e justiça que animou Hélder, Romero, Stang, e tantos outros deram suas vidas por sonhar os mesmos sonhos de libertação. É nossa responsabilidade legar ao mundo não uma ideologia evangélica, mas a prática concreta do evangelho anunciado por Jesus.
Nós cristãos temos um compromisso com o Reino, somos servos e servas do Deus da vida, libertador dos oprimidos e que deseja que todos e todas tenham vida, e vida em plenitude.
Sonhar os mesmos sonhos de Jesus exige de nós uma postura ética condizente com os valores do Reino. O modelo de sociedade injusto adotado para assegurar o crescimento econômico incentivando o consumismo, a concorrência desleal e o lucro sem medidas têm gerado graves problemas sociais. O pragmatismo do nosso povo tem permitido a ascensão de políticos pragmáticos e demagogos, defensores de suas próprias causas e dos desejos daqueles que financiam suas campanhas. Políticos que esquecem representar o povo e aprovam leis que vão de encontro à vontade popular, e que algumas vezes, chegam a prejudicar o povo, suprimindo seus direitos.
É chegada a hora de mais uma vez caminharmos juntos e exigirmos uma nova postura daqueles que são eleitos pela vontade majoritária do nosso povo. É hora de dar um basta no círculo vicioso da manipulação de divisas públicas e do empobrecimento das massas para assegurar os privilégios ofertados a uma minoria.
Um importante passo já foi dado. O projeto de lei que exige do candidato uma ficha limpa para disputar um cargo eletivo é um início tímido, mas é um início! A CNBB inicia essa jornada com o apoio da sociedade civil e nós, leigos e leigas, devemos fazer a nossa parte. Há um adágio popular que afirma que “cada povo tem o governo que merece”. Nosso povo merece governos justos. Nossas crianças merecem escolas com merenda de qualidade e professores capacitados, nossos jovens merecem condições de ingressarem no mercado de trabalho, mas não só isso, pois nem só de pão vive o homem. A juventude merece condições de desenvolver plenamente suas capacidades físicas, intelectuais e espirituais, sendo respeitada na beleza de sua diversidade. Nossos idosos e doentes merecem gozar de um serviço de saúde que realmente atenda as suas necessidades e não apenas combata,e de forma precária, os sintomas das várias doenças que nossa sociedade é acometida. Um candidato que não esteja sendo processado por uma má administração ou crimes de natureza política é o mínimo que todo o nosso povo merece.
Mesmo em meio as dificuldades encontradas, “nós, que somos Igreja, “devemos caminhar com a certeza que vai raiar o dia em que o povo dançará de alegria sobre os escombros da tirania e da opressão”.
Colaboremos então com o abaixo assinado a favor dos candidatos ficha-limpa, sabendo que este é apenas um primeiro passo tímido, e audacioso, de uma longa e necessária caminhada para a construção de um Reino de paz, justiça e amor.
Emerson Luiz Galindo Almeida - Professor especialista em programação do Ensino de História e membro da Equipe Diocesana de Coordenação de Pastoral.