quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Conselhos de quem se vai

Estou chegando ao fim da minha vida e é necessário não deixar assuntos pendentes. Sei que ainda continuarei a existir na memória de muitos por algum tempo. Ao falarem de mim será inevitável o uso das palavras “bom” e “mau”. Mas o que posso fazer? Ninguém, por mais que se esforce, consegue agradar a todos. Esforcei-me para realizar coisas grandiosas, resolver problemas, apontar soluções, mas descobri que uma vida é curta e que o tempo passa depressa.


Nessa carta testamento (desculpe, mas não vejo outro modo de chamá-la) tenho para legar alguns conselhos:

• Tenha metas em sua vida, mas não deixe que elas ditem rigorosamente o seu modo de viver. É importante saber aonde se quer chegar, e às vezes reconhecer que não se precisa ir até onde se quer para ser feliz.

• Reconheça que o tempo é injusto: não para nem retrocede.

• Reconheça que o tempo é cruel: parece mais lento quando sofremos e rápido demais quando estamos felizes.

• Saiba ver o hoje como ele é: um presente! Administre seu tempo, ganhe dinheiro e não deixe que ele ganhe você. Dê conforto a sua família mas não pense que isso substitui a necessidade que ela tem de você.

• Consuma menos, durma mais, caminhe e se possível admire uma paisagem que ache bonita. Precisamos sentir que vivemos para valorizar o milagre que é nossa existência.

• Ame sem muitas restrições. Verdadeiros amores são raros demais para se perderem em nossos preconceitos estéticos, econômicos, religiosos e raciais.

• Seja um ótimo amigo e terá bons amigos. Não seja amigo de ninguém e cultive a semente da solidão que te fará ainda mais triste em datas especiais e nas noites de inverno.

• Pare um tempo e reflita sobre quem é você. É preciso se conhecer para compreender os outros e o espaço que ocupamos no mundo.

• Sorria, chore, cante, dance e ame na ordem que te fizer feliz. Não há modelos pré fabricados e não aceite que ninguém (principalmente eu) queira dizer como você deve ser feliz. Mas aceite uma verdade: você pode e deve ser feliz.



Por fim, quero deixar a você meu bem mais precioso: meu filho. Ele nascerá no instante da minha morte. Embora possua possibilidades gigantescas ele precisará de todo o apoio para se tornar o que pode ser. Não estarei mais presente para acompanhar seu crescimento, mas você pode fazer dele aquilo que desejar. Confio que tirará coisas boas do bom tesouro do seu coração e saberá espalhar felicidade para sentir-se feliz.

Que Deus o abençoe e o ilumine nessa tarefa, pois Dois Mil e Onze depende apenas de você!

Fraternalmente,

Dois Mil e Dez

Autor: Emerson Luiz Galindo Almeida

retrospectiva 2010

domingo, 12 de dezembro de 2010

RUMO A EDUCAÇÃO DE QUALIDADE



Secretário gaúcho defende prova para avaliar professores

Governo do RS coordena mais de 2.600 escolas, com 1,2 milhão de estudantes

Letícia Casado, do R7

Para o secretário de Educação do Rio Grande do Sul, Ervino Deon, novo governo deveria criar avaliação para professores do Estado
O novo governo do Rio Grande do Sul, que será encabeçado pelo PT (Partido dos Trabalhadores) em 2011, terá como desafio melhorar a qualidade do sistema de ensino, que já teve o acesso universalizado. A avaliação é do atual secretário da Educação gaúcho, Ervino Deon. Ele concedeu entrevista ao R7 sobre os desafios no Estado.
É necessário que haja um "pacto político" para a evolução na educação, afirma o secretário. Todos os setores - sindicatos, professores, governantes e partidos - deveriam criar uma agenda mínima na área.
Deon também considera que é importante criar uma prova nos moldes da adotada pelo Estado de São Paulo, que avaliar o desempenho dos professores. Os mais bem colocados deveriam receber benefícios, como bônus salarial, na opinião do secretário.
Hoje, 2.600 escolas públicas são comandadas pelo governo gaúcho. Nelas, estudam 1,2 milhão de alunos.
R7 - Qual o desafio para o próximo governo na área da educação?
Ervino - O grande desafio é melhorar a qualidade do sistema de ensino. Não há dificuldade em número de ofertas de vagas. Mas também é preciso fazer mudanças estruturais no sistema: pensar em novos concursos para professores, em plano de carreira e no piso salarial. É preciso mexer no que está aí para dar mais benefícios aos alunos.
Temos que atender a classe dos professores, mas os interesses deles precisam estar casados com o interesse da sociedade. Há menos de 20 anos havia 50%, 55% de criancas fora da sala de aula, em todo o país. Foi feita a busca pela universalização, conseguimos maior adesão e jogamos todo mundo dentro da escola. Agora, precisamos melhorar a qualidade do que temos [nos colégios].
R7 - O RS teve impasses com a realização de concursos para professores, durante a gestão Yeda Crusius?

Ervino - É preciso encontrar um caminho para premiar os melhores. Tivemos que cancelar o concurso de 2006, e depois não fizemos mais. O corporativismo está na escola, e é preciso ter atenção com a avaliação do estágio probatório. É necessário que haja mudanças, e isso só será possível com um pacto político.
Além disso, o concurso em si não dá orientação de quem é o melhor em cada área. Seria necessário fazer provas específicas de cada matéria.
R7 - E por que isso não foi feito na sua gestão? Por exemplo, uma mudança no edital dos concursos?
Ervino: O sindicato dos professores é muito forte no Rio Grande do Sul. E a oposição também. Não houve apoio. Fazer apenas um concurso para selecionar docentes é muito simples: é montar um edital e pronto. Por isso não se fez no ano passado [uma prova para avaliar os professores].

Vai chegar o momento de ser feito, e espero que o [novo] governo consiga promover mudanças. A avaliação do professor tem que ser implantada, senão nivela por baixo, acomoda o professorado.
R7 - Um modelo de avaliação como o de SP?
Ervino: Isso mesmo. Se não implantar a gratificação por desempenho, que premia quem mais se preocupa em ensinar bem, não vamos avançar.

sábado, 11 de dezembro de 2010

COM INFLAÇÃO EM ALTA GOVERNO COMEMORA NOVAS CÉDULAS DE REAL

Reprodução / Banco Central
Primeiros modelos a circular serão de R$ 50 e R$ 100, informou BC; cerimônia marca lançamento da nova família do real nesta segunda (13)

Fonte: G1

O Banco Central informou nesta sexta-feira (10) que a segunda família de cédulas do real começará a circular na próxima segunda-feira (13). Os primeiros modelos em circulação serão as notas de R$ 50 e R$ 100.

As novas notas entrarão em circulação por meio dos bancos comerciais, sendo que as cédulas atuais continuarão valendo e somente serão retiradas de circulação em decorrência do desgaste natural, informou o Banco Central. As novas notas custam cerca de 25% a mais do que os modelos antigos, segundo informações da autoridade monetária.

Na nova cédula de R$ 100, permanece a garoupa de um lado e a efígie da República, do outro. Na nota nota de R$ 50, continuam a onça pintada e efígie da República. Os animais, porém, estão na posição horizontal. No modelo atual, aparecem na posição vertical. As mudanças são tecnológicas e de design, mas o BC afirmou que todos os animais representados nas notas atuais continuarão a figurar nas novas versões.

Segundo a autoridade monetária, as novas cédulas também atenderão a uma demanda dos deficientes visuais, que tinham dificuldades em identificar os valores nas notas atualmente em circulação. "Com tamanhos diferenciados e marcas táteis em relevo aprimoradas em relação às atuais, a nova família de cédulas facilitará a vida dessa importante parcela da população", informou a instituição.

Quando foi anunciado o projeto da segunda família de cédulas do real, em fevereiro deste ano, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, informou que os novos modelos seguiriam um padrão internacional que dificultará a falsificação. Segundo disse ele na ocasião, os novos modelos de notas também auxiliam na "internacionalização" da moeda brasileira.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

A Criança que pensa em Fadas



A criança que pensa em fadas e acredita em fadas

Age como um deus doente, mas age como um deus.

Porque embora afirme que existe o que não existe

Sabe que existir existe e não se explica,

Sabe que não há razão nenhuma para nada existir,

Sabe que ser é estar em algum ponto

Só não sabe que o pensamento não é um ponto qualquer.


Alberto Caeiro, Fernando Pessoa

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Aqueles que virão depois de mim

Gostaria de deixar como testamento
A todos os que virão depois de mim
O brilho das estrelas, as gotas de orvalho,
Os primeiros raios de sol do amanhecer.

Quisera poder legar o firmamento
Um sentimento puro, talvez sem fim
O fruto justo pelo seu trabalho
E a esperança da vida ao nascer

Mas deixo sem contentamento
A cobiça pela prata, ouro e marfim.
Uns que comem sobre carvalho
Enquanto outros de fome vão morrer

Mas também lego o pensamento
Dos que vieram antes de mim
A fé que resiste ao terreno erário
Essa é a esperança nos fará vencer.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

tu vuo fa l'Americano




Se um dia você se perguntou de onde veio a "inspiração" da "música" pa-panamericano, creio que esta é a resposta. Pessoalmente prefiro o original de Carosone, mas esse trecho do filme O Telentoso Sr. Ripley ficou muito bom!

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Até onde vai o preconceito?

A questão passou a me tirar o sono de uns dias pra cá. Como muito brasileiros cresci acreditando na “cordialidade” do nosso povo, na nação erguida pela “união das três raças” tão belamente ilustradas no meu velho livro de estudos sociais.

Cresci com a grande “complexo de vira-lata”, ao som de guitarras e baterias, gritos distorcidos e muita coca cola, assistindo novela e aprendendo que meu papel era não questionar o título de pais do futebol, me orgulhar por São Paulo ser o coração econômico do Brasil e pelo nosso cartão postal ser uma cidade maravilhosa.

Hoje ao me aproximar dos trinta anos questiono-me bem mais a respeito desse modelo de país e as formalidades ideológicas não me encantam mais. Pouco a pouco o cotidiano me fez despertar contra a vontade dessa letargia que é o Brasil cordial. Uma vez ouvi o Ariano Suassuna falar numa de suas palestras da existências de dois brasis: o oficial e o real.

O Brasil oficial é composto apenas pelo Sul-Sudeste, especificamente bairros nobres, grandes propriedades rurais, belas praias e pontos turísticos, sem favelas ou cracolândias. O Brasil real, esse todo marginalizado, formado por várias regiões geoeconômicas, repleto de pardos, negros, índios, mães solteiras, gays e tantos grupos minoritários que lutam pelo acesso mínimo a cidadania.


Ariano notou que sempre que o Brasil real tentou se organizar foi massacrado pelo Brasil oficial. Foi assim em Canudos, Palmares, com a Confederação do Equador, com a Balaida, a Conjuração Baiana e tantas outras que com muito sacrifício entram nos livros didáticos. O Brasil real escolheu um presidente e foi taxado de burro, formado por uma massa de despossuídos e alienados. Depois, votou-se pela continuidade de um projeto político e mais uma vez o Brasil oficial se levantou espalhando ódio!


Mayara Petruso é produto de um sistema que perdura desde o Império, atravessando a República Velha do café paulista e do leite mineiro, apoiando a repressão dos direitos por um regime ditatorial e contaminando todas as esferas políticas após a reabertura. Num momento infeliz a jovem expôs o que se esconde por trás de toda a nossa cordialidade.


A jovem universitária que cursa direito (!!!) foi precedida por nomes como Boris Casoy (a humilhar garis que desejavam feliz natal) Eliane Cantanhêde (que se referiu aos filiados do PSDB como massa cheirosa, colocando a imensa maioria de brasileiros indiretamente na categoria de massa mal-cheirosa) e agora, tem mais um ilustre seguidor. O repórter (?) da RBS – filiada da rede Globo – Luís Carlos Prastes é a epítome do preconceito de classe, gênero, etnia, etc.

O repórter (?) faz uso de uma eloqüência que deixaria Adolf Hitler emocionado para colocar a culpa dos acidentes de trânsito na popularização dos automóveis promovida por esse maldito governo que trata pobre como se fosse ser humano. O termo “desgraçado” foi usado a exaustão para disseminar a fúria deste culto cidadão.

Ele é o homem cordial. O brasileiro culto, branco, respeitoso das diversidades, desde que aqueles que pertencem as classes menos favorecidas permaneçam à margem da sociedade sem exigir os mínimos direitos inerentes a pessoa humana. O homem cordial que respeita a três raças, desde que negros sejam manobristas e faxineiros e os índios se apressem a tornarem-se extintos.

Até quando essa hipocrisia, meu Deus?

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Legal, merece um clique!

A amiga GiselleMatos bolou um blog muito interessante. Além de belas frases e mensagens, um desing muito atraente os textos da jovem possui uma criticidade e um humor saliente. Gostei muito do post sobre o melhor amigo da mulher. A Globo devia aproveitar para colocar entre as respostas do seriado: Afinal, o que querem as mulheres?

Parabéns Giselle!

O endereço do blog é esse: http://giihmatos.tumblr.com/

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

A ESPERANÇA VENCEU!!!


“Um silêncio de torturas
E gritos de maldição
Um silêncio de fraturas
A se arrastarem no chão.
E o operário ouviu a voz
De todos os seus irmãos
Os seus irmãos que morreram
Por outros que viverão.
Uma esperança sincera
Cresceu no seu coração
E dentro da tarde mansa
Agigantou-se a razão
De um homem pobre e esquecido
Razão porém que fizera
Em operário construído
O operário em construção.”

Vinicius de Moraes, Operário em Construção.


E mais uma vez a esperança venceu o medo. O operário, migrante nordestino, perseguido por aqueles que por tanto tempo governaram despoticamente o país testemunharam a materialização das palavras do revolucionário Ernesto Che Guevara: “os poderosos podem matar um ou duas rosas, mas não podem impedir a chegada da primavera”!

Por três vezes o candidato operário foi derrotado nas urnas, mas a semente lançada germinava lentamente em nossa nação. E quando os ditames de um modelo de nação injusto pareciam sufocar nossa voz, eis que as vozes da mudança retumbaram em nosso peito. Era possível ao operário uma nova dimensão? Era possível a alguém que não foi educado na Europa, não dominava o inglês ou possuía mestrado guiar o país em sua mudança histórica?
A elite sussurrou que tinha medo, o povo bradou em alta voz que tinha esperança! O operário Luís Inácio foi erguido ao posto de presidente, e foi esse presidente Lula que escreveu algumas das mais belas páginas de nossa história contemporânea.


O Brasil cresceu e prosperou. Milhões saíram da pobreza extrema e formaram uma nova classe média, milhões de jovens puderam ingressar no Ensino Superior, o povo recuperou sua auto-estima e sentiu-se orgulhoso de um novo Brasil que nascia.

Um Brasil que deu mais um passo significativo: elegeu a primeira mulher presidente de sua história republicana. Embora essa mulher tenha sido guiada a esse cargo pelo seu antecessor, um homem-mito que só o futuro poderá dizer se soube esquivar-se da imagem forjada sobre o homem Luis Inácio, a escolha popular por Dilma simboliza a opção pelo Brasil mais humano, inclusivo e autônomo.

A Dilma que possui história própria, tendo lutado contra a ditadura que se abateu nesse país por vinte anos, sendo presa e torturada. Uma mulher forte que não desistiu dos seus sonhos e ideais, mesmo diante da cruel violência.

Muitos desafios não foram vencidos durante a gestão de Lula: a necessária reforma política, a reforma agrária, a garantia de um desenvolvimento sustentável com a utilização de energias limpas, a cidadania plena para todos os brasileiros, o déficit educacional, de segurança pública e dos serviços de saúde, entre outros.

O messianismo que está impregnado em nosso subconsciente coletivo deve ser vencido, e não explorado. Nem Dilma nem Lula podem ser encarados como salvadores da pátria. Foram a escolha do povo para guiar esta grande nação brasileira no caminho do que ela aspira ser.

Encaro a vitória de Dilma como uma escolha pela continuidade de um modelo, que só o tempo, e apenas ele, poderá dizer se foi acertada. A recusa pela volta do PSDB ao poder representa talvez a proximidade da primavera, com os primeiros brilhantes raios do sol da justiça social e da superação da pobreza. Não parabenizo Dilma nem Lula pela vitória, não nos é suficiente a vitória nas urnas, necessitamos da vitória diária, de políticas de Estado e não de governo. O presidente operário que iniciou a onde de mudanças foi eleito por nós: cidadãos-operários, operários em construção, quem vêem em si uma nova dimensão de possibilidades infindas. A esperança venceu o medo, e de parabéns estamos todos nós! Nós, que ao contrário do que órgãos de imprensa afirmaram: pensamos! Nós, que ao contrário do que disseram muitos políticos, não votamos por ganhar “uma bolsa miséria”! Nós que superamos o preconceito religioso e mantivemos viva a chama da esperança e que com nossa história anunciaremos com alegria que um novo tempo se instaura nesse país!

Viva a cidadania! Viva o Brasil!

Emerson Luiz (http://emersonluizgalindo.blogspot.com)

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Dos males o menor

Dizia Mário Quintana ao falar Do bem e do mal:


Todos tem seu encanto: os santos e os corruptos.
Não há coisa na vida inteiramente má.
Tu dizes que a verdade produz frutos...
Já viste as flores que a mentira dá?

Estamos na reta final da campanha presidencial. Dentro de poucos dias decidiremos o futuro do país nos próximos quatro anos. Para nos convencer, os candidatos assinaram documentos, firmaram acordos, desistiram de posicionamentos históricos, tudo isso para demonstrar quem é o melhor, o mais preparado, o mais santo.

Em nossa Carta Magna o Estado Brasileiro é declarado laico, fato que oportuna (ou inoportunamente) foi esquecido pelos presidenciáveis. Estes procuraram ser fotografados em Missas e Cultos, ladeados por padres, bispos e pastores! Apropriando-me de um bordão do atual presidente: “nunca antes na história desse país (ou desde o fim do padroado) foi tão importante a um candidato declarar-se fiel a Deus”! A corrida ao planalto transformou-se numa nova Guerra Santa. Panfletos foram impressos e distribuídos em Igrejas no intuito de demonizar pessoas. Alguns clérigos (católicos e evangélicos) mais exaltados, deixando de lado a prudência ou movidos por ambições pessoais, reproduziram o discurso e declararam seus votos na tentativa de serem seguidos pelos fiéis, que vão desde neo-pentecostais a católicos ultra-conservadores.

Frei Francisco Gonçalves de Souza (pessoa que tive o grande prazer de conhecer) indo contra o uso eleitoreiro da fé, repudiou a falácia religiosa na presença do presidenciável tucano José Serra em Canindé – CE: “Eu gostaria de chamar a atenção para este papel que estão distribuindo na igreja. Acusam a candidata do PT, em nome da Igreja. Não é verdade. Isso não é jeito de fazer política. A Igreja não está autorizando essas coisas. Isso não é postura de cristão!”

O comentário do franciscano despertou reações violentas do senador Tasso Gereissat, que acompanhava Serra. A justa repressão do frei estragou uma peça publicitária do PSDB, mas foi explorada por entusiastas do PT, como o jornalista Paulo Henrique Amorim, e essa semana recheia as páginas da revista Isto É.

Em meio a acusações, bexigas com água, bolas de papel que parecem rolos de fita crepe e levam alguém a fazer tomografia, Guerras e Pretos (não conheço mas é competente) fotos com candidatos fazendo o pelo-sinal ou não, esquecem-se de coisas fundamentais: propostas viáveis para assegurar o desenvolvimento do país assegurando a vivencia da cidadania para seus habitantes.

A grande vencedora dessas eleições, Marina Silva, que sem o apoio de vereadores, prefeitos e deputados que tratam o interior como feudos, ou num termo bem nacional, currais eleitorais, atraiu para si 19,33% dos 111,18 milhões de votos apurados, levando o pleito para o segundo turno e contrariando todos os grandes institutos de pesquisa declarou que falta maturidade política tanto em Dilma quanto em Serra. Errada? Creio que não.

Nos encontramos no paradoxo de Davi. Entre eminentes e inevitáveis desgraças anunciadas pelo criador somos levados a ponderar e dizer: dos males o menor!

Toda a agitação do segundo turno fez-me perder o entusiasmo. Faltou o discurso da possível utopia, as metas a serem atingidas, as revoluções necessárias. Sobraram calúnias, difamações, encenações e promessas irresponsáveis que se realizadas colocaram em risco nosso frágil equilíbrio econômico. Alguém já calculou quanto vai custar aumentar o salário mínimo para R$ 600,00, dar 10% de reajuste a aposentados, dobrar o bolsa-família e ainda assegurar o 13º pagamento deste benefício que até então era chamado por Serra de eleitoreiro? Sem contar que ainda há a promessa de reduzir os impostos, colocar duas professoras por turma, criar o Ministério da Defesa, pagar dignamente policiais, professores e demais servidores públicos e fortalecer estatais sem privatizá-las! Ele é o economista, não eu, mas nas minhas parcas condições creio que prometer seja mais fácil que cumprir.

Como disse a respeito das flores da mentira, espero não ter de vê-las em quem quer que seja eleito no dia 31, mas caso possa valer-me de uma “liberdade poética” faço uma prece: Dos males o menor e livrai-nos do Serra, Amém!



Emerson Luiz.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Carta aberta

Desde já afirmo que não gostaria me expressar de forma sentimental, mas também peço perdão caso isso ocorra. Paulo Freire uma vez disse que educar é um ato de amor, um ato incondicional e intencional. Sou um educador, e gosto de pensar que o sou, como tantos de meus pares, por profissão e vocação. O mesmo Paulo Freire também afirmou que educar é um ato político.


Educadores possuem no cerne de sua ação um compromisso com a transformação, a luta para alcançar a possível utopia de uma sociedade mais justa, fraterna e inclusiva. Lutamos por isso constantemente, e essa razão de ser educador impulsiona nossa ação e nossa fala. Não precisamos transformar a sala de aula em palanque deste ou daquele grupo ou candidato, pois ao promover a pedagogia da autonomia auxiliamos homens e mulheres a exercerem sua cidadania de forma plena.

Mas há horas que devemos ir adiante, momentos em que nossa fala deve brotar do íntimo, dando vazão aos sonhos e projetos que tornam possível ao homem viver. O pastor Martin Luther King Jr. certa vez disse temer o “silencio dos bons”. E quando os bons se calaram os maus conseguiram perverter até as mais nobres idéias em prol de seus projetos escusos.

A defesa da vida foi usada para demonizar grupos e pessoas. A fé foi usada como arma por aqueles que deviam conduzir seu rebanho tal qual deveriam ter aprendido com seu Mestre. Qual a motivação por trás disso? Conduzir o país a melhores rumos? Diminuir os índices de pobreza? Concessões de canais televisivos? Levar parentes que são suplentes ao poder quando deputados eleitos forem conduzidos a ministérios num possível governo serrista? Não quero julgar pelo medo de perder a esperança nas pessoas.

Lembro de D. Hélder Câmara: “Se dou comida aos pobres sou santo, se pergunto porque tem fome sou comunista” Os bons ainda se calam, não se perguntam porque grupos de mídia espalham boatos sobre uma candidata e escondem sistematicamente falhas, processos, mentiras e difamações praticados por outro.

Não coloco Lula em um altar. Não isento o Partido dos Trabalhadores de todas as suas comprovadas falhas, mas como educador, como brasileiro e como ser humano repudio o modelo de governo de PSDB e a postura de José Serra como governante. Como alguém que diz ter sido perseguido ataca grevistas com balas, spray de pimenta e tropas de choque? Se diz contrário ao aborto e regulamentou a legislação vigente? Vai a Aparecida e é a favor de métodos contraceptivos e abortivos, como a pílula do dia seguinte? Se diz contra o nepotismo mas acoberta parentes de amigos e assessores em cargos públicos? Prega a transparência mas não se permite ser investigado ou questionado, recorrendo sempre a desculpa do trololó ou da pauta petista, pedindo a cabeça de jornalistas, manipulando decisões do poder judiciário e perseguindo cruelmente seus opositores.

Como disseram tantos ao longo da história, eu tenho um sonho. Um sonho de um Brasil irmão, sem pobreza, sem fome. Um Brasil onde professores sintam-se felizes em sua profissão, onde alunos descubram um novo mundo nas escolas, onde pais e mães possam trabalhar e gerar filhos belos, alegres e saudáveis. Um sonho que hoje está ameaçado por grupos elitistas que usam as pessoas como massa de manobra para seus próprios interesses, grupos que se personificam no candidato José Serra.


Dentre os méritos do governo Lula há um que quero destacar: o Brasil hoje sente-se orgulhoso em ser Brasil, não só pelo poder de compra, pelo acesso ao Ensino Superior, mas por tudo que enxergamos sermos capazes de realizar. John Lennon em sua música Imagine convidou-nos a sonhar um mundo diferente. Gosto de pensar que sou um sonhador, que todos nós somos sonhadores. Então não nos permitamos ficar em silencio enquanto grupos tentam dividir nossa fé, nossos ideais e nossa identidade. Somos o português que atravessou os mares, o índio que amou a terra, o negro que sonhou com liberdade e o imigrante que se aventurou para a construção de um belo e admirável mundo novo. Juntos somos mais que esses grupos, juntos podemos escolher levar esse país a rumos nunca antes imaginados. Somos o Brasil livre do ódio e do preconceito, o Brasil que ama a vida e deseja continuar crescendo.

Não permitamos que esses grupos dominem o curso de nossa vida. Nesse segundo turno façamos que toda a nação ouça a voz dos bons, mais que um partido, mais que uma candidata, eleger Dilma Roussef significa continuar trilhando o caminho para a construção do Brasil que queremos.

domingo, 10 de outubro de 2010

Um segredo...





Quisera eu poder dizer que toda incerteza é passageira, que a insegurança diante do novo desaparecerá com a idade. Quisera eu poder dizer que chegará o dia em que os problemas irão deixar de existir, e que conseguiremos realizar todos os nossos sonhos, até mesmo os que concebemos durante a infância.



Mas não gosto de mentir. Não quero semear falsas esperanças.



Mas posso afirmar sem medo que crescemos quando nos questionamos sobre nossos propósitos, e assim, a incerteza é algo bom para que aprendamos a valorizar nossas ideias. Quantos generais não perderam batalhas e suas vidas pelo excesso de confiança? Assim, reconhecer nossas fraquezas e limitações faz parte do processo de auto-descoberta.



Problemas? Quem sabe se ao olhá-los por diferentes ângulos não possamos ver que são bem menores do que imaginamos?



Não quero nem pretendo bancar o guru. Cada vida é um milagre único e não podemos pensar que existem respostas “certas” ou “erradas” para as situações que encontramos. Mas mesmo sem pretender ditar regras de felicidade preciso compartilhar um grande segredo:



Você é capaz de realizar coisas incríveis. Não deixe nunca que a vida mutile seus sonhos e desejos nem que sua motivação se perca no caminho. O primeiro passo para chegar aonde se quer é saber onde se quer ir.



Paz e bem, força e honra, perseverança e luta!



Espero que nos reencontremos no final da jornada, mas até lá que seus dias sejam belos e lhe revelem o quanto se pode mudar e transformar no percurso de uma vida, afinal:



Que homem é um homem se não torna o mundo melhor enquanto vive nele?

O Poço - Poesia do grande Pablo Neruda




Cais, às vezes, afundas

em teu fosso de silêncio,

em teu abismo de orgulhosa cólera,

e mal consegues

voltar, trazendo restos

do que achaste

pelas profunduras da tua existência.



Meu amor, o que encontras

em teu poço fechado?

Algas, pântanos, rochas?

O que vês, de olhos cegos,

rancorosa e ferida?



Não acharás, amor,

no poço em que cais

o que na altura guardo para ti:

um ramo de jasmins todo orvalhado,

um beijo mais profundo que esse abismo.



Não me temas, não caias

de novo em teu rancor.

Sacode a minha palavra que te veio ferir

e deixa que ela voe pela janela aberta.

Ela voltará a ferir-me

sem que tu a dirijas,

porque foi carregada com um instante duro

e esse instante será desarmado em meu peito.



Radiosa me sorri

se minha boca fere.

Não sou um pastor doce

como em contos de fadas,

mas um lenhador que comparte contigo

terras, vento e espinhos das montanhas.



Dá-me amor, me sorri

e me ajuda a ser bom.

Não te firas em mim, seria inútil,

não me firas a mim porque te feres.



Pablo Neruda

terça-feira, 5 de outubro de 2010

IMPRENSA OU PARTIDO POLÍTICO O1

Vou colocar aqui postagem do blog do Daniel Castro do portal R7.com (que na opinião deste humilde blogueiro é melhor que o globo.com).

Minha motivação nasce do comportamento de setores da mídia (a revista olhe (espie) e a rede glóbulo) que não informam mas descontroem a imagem de políticos.

Paulo Henrique Amorim os chamou de PIG - Partido da Imprensa Golpista.

E um dos cassetas (Bussunda tomava cobertor de mendigo e gritava viva Brizola como forma de "protesto") exagerou.


 Casseta xinga Lula de ‘vagabundo’ e é censurado



Convidado especial do programa Manhattan Connection do último domingo (3/10), o humorista Marcelo Madureira, integrante do Casseta & Planeta, xingou o presidente Lula de "vagabundo, picareta e impostor", que "não vale nada".




Devido às eleições, o programa foi exibido ao vivo pelo canal pago GNT, da Globosat, programadora de canais pagos da Globo. Nas reprises apresentadas na madrugada e às 10h e às 14h de ontem, no entanto, a fala de Madureira foi cortada pelo próprio canal. Na versão que está no site oficial do GNT, o xingamento do casseta também sumiu.



Madureira falava com cara de sério. "O pior desses oito anos do governo Lula foi transformar a política definitivamente numa coisa de chacota. É impressionante como a política foi desmoralizada. Acho incrível, porque na minha opinião a política é a mais nobre atividade do ser humano. E é impressionante como atrai vagabundo, picareta e tal, a começar pelo presidente da República, que não vale nada!", discursou o humorista.

Esse trecho foi censurado pelo GNT na reprise.


Madureira disse ainda que o país vai demorar "gerações" para se recuperar do "mal" causado por Lula. "Eu quero desmistificar esse picareta que está na Presidência da República", encerrou.

Ele foi muito ácido também com Dilma Rousseff. Referindo-se às roupas usadas pela candidata, disse que ela parece "um travesti de Kim Jong-Il [ditador da Coreia do Norte]".



Você pode assistir o vídeo aqui:



sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Inácia


Escrever sobre o que sinto por você não é fácil. Primeiro, porque as palavras não brotam da imaginação, como num conto. Depois, não podem ser idealizadas. Idealizar é mais fácil, pois falamos do que desejamos possuir, daquilo que a nossa fé nos impulsiona a alcançar. Escrever para você é mais difícil, exige de mim uma franqueza que nem sempre gosto de exercer.


Como manter as máscaras de alguém firme e decidido se você é capaz de desfazer tantas convicções? Como aparentar certeza se você, sem perceber, faz com que me questione a respeito de mim? Como procurar ser frio se tremo só de me imaginar distante de você?

Um dos antigos filósofos afirmou que o homem precisa se conhecer. Fugimos disso constantemente, procuramos nos agarrar a uma auto-imagem forjada para ocultar erros, desvios e rejeições. Muitos nunca chegam a amar uma pessoa em si e preferem amar a idéia que construíram da pessoa. Dom Quixote enfrentando moinhos de vento como se fossem gigantes.

Não sei se é correto dizer que amor é uma escolha, tido que não escolhemos sentir alegria ou tristeza, paz ou tremor. Mas creio que não é erro afirmar que é necessário decidir cultivar o amor. Decido nunca deixar que o solo do coração resseque, cuidar de nós como o principezinho cuidava de sua rosa, mas sem nunca deixar o pequeno planeta que é só nosso.

Ah, meu amor! Quão contraditório é sentir o que sinto! Um fogo que arde sem se ver, que torna solitário andar por essa gente. Quão difícil expressar esses sentimentos em palavras.

Mais fácil seria tê-la em meus braços, olhar em seus olhos e dizer tudo sem nada dizer.

Mas enquanto esse dia ainda não se anunciou nos raios da aurora desse imenso horizonte que é a vida, continuo expressar meus sentimentos como fizeram e fazem os sonhadores, recorrendo a fórmula antiga que nunca deixou de ser atual: eu te amo.

Emerson Luiz
 
Foto: Até ao meu Regresso

Autor(a) Luis Sarmento
Galeria Pública Gentes e Locais
Disponível no Site Olhares.com

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

José

Uma singela homenagem deste blogueiro ao gênio. A ele este poema do Imortal Drummond:


E agora, José?
A festa acabou,
a luz apagou,
o povo sumiu,
a noite esfriou,
e agora, José?
e agora, você?

você que é sem nome,
que zomba dos outros,
você que faz versos,
que ama, protesta?
e agora, José?

Está sem mulher,
está sem discurso,
está sem carinho,
já não pode beber,
já não pode fumar,
cuspir já não pode,
a noite esfriou,
o dia não veio,
o bonde não veio,
o riso não veio,
não veio a utopia
e tudo acabou
e tudo fugiu
e tudo mofou,
e agora, José?



E agora, José?
Sua doce palavra,
seu instante de febre,
sua gula e jejum,
sua biblioteca,
sua lavra de ouro,
seu terno de vidro,
sua incoerência,
seu ódio – e agora?

Com a chave na mão
quer abrir a porta,
não existe porta;
quer morrer no mar,
mas o mar secou;
quer ir para Minas,
Minas não há mais.
José, e agora?

Se você gritasse,
se você gemesse,
se você tocasse
a valsa vienense,
se você dormisse,
se você cansasse,
se você morresse...
Mas você não morre,
você é duro, José!

Sozinho no escuro
qual bicho-do-mato,
sem teogonia,
sem parede nua
para se encostar,
sem cavalo preto
que fuja a galope,
você marcha, José!
José, para onde?

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

IBOPE ERROU FEIO!

Extraído do blog do Alexandre Marinho (http://blogdoalexandremarinho.blogspot.com/)

O QUE DISSE O DONO DO IBOPE HÁ UM ANO ATRÁS



É muito bom a gente lembrar a entrevista concedida pelo dono do Ibope, Sr. Carlos Augusto Montenegro, nas páginas amarelas da revista Veja, há exatamente um ano atrás.


Na época ele afirmava taxativamente que "Lula não fará seu sucessor".


Vou republicar, na íntegra, a entrevista do Sr. Montenegro, mas peço-lhes que ao final me respondam a seguinte pergunta:





Há pouco mais de um mês das eleições, os 17% da candidata Dilma sobre Serra demonstram claramente que:



(a) O Sr. Carlos Augusto Montenegro é incompetente;

(b) O Sr. Carlos Augusto Montenegro é competente, mas entrou no jogo da Revista Veja, que semanalmente (e descaradamente) tenta influenciar a opinião pública em favor de Serra;

(c) Foi uma falha horrível do Sr. Carlos Augusto Montenegro, que certamente irá manchar seu currículo como analista político. Foi, na verdade, uma "político-cassetada", que até caberia bem no Programa do Faustão.



Vejamos a entrevista:



"Lula não fará seu sucessor", diz o dono do IBOPE



Carlos Augusto Montenegro é um dos mais experientes analistas do cenário político nacional. Presidente do Ibope, empresa que virou sinônimo de pesquisa de opinião pública no Brasil, ele acompanhou com lupa todas as eleições realizadas no país desde a volta à democracia, em 1985.



Agora, faltando pouco mais de um ano para a sucessão presidencial, Montenegro faz uma análise que o consagrará se acertar. Se errar? Bem, dará às pessoas o direito de igualarem seu ofício às brumas da especulação.



Em entrevista ao editor Alexandre Oltramari, Montenegro aposta que o governo, apesar da imensa popularidade do presidente Lula, não conseguirá fazer o sucessor – no caso, a ministra Dilma Rousseff. Também afirma que o PT está em processo de decomposição.



Veja - O que os acontecimentos da semana passada revelaram sobre o PT?



Que o partido deu um passo a mais na direção de seu fim. O PT passou vinte anos dizendo que era sério, que era ético, que trabalhava pelo Brasil de uma maneira diferente dos outros partidos. O mensalão minou todo o apelo que o PT havia acumulado em sua história. Ali acabou o diferencial. Ali acabou o charme. Todas as suas lideranças foram destruí-das. Estrelas como José Dirceu, Luiz Gushiken e Antonio Palocci se apagaram. Eu não diria que o partido está extinto, mas está caminhando para isso.



Veja - Mas por trás do apoio ao PMDB e ao senador Sarney não está exatamente um projeto de poder do PT?



Montenegro - É um projeto de poder do presidente Lula. O desempenho eleitoral do PT depois do mensalão foi um vexame. Em 2006, com exceção da Bahia, o partido só venceu em estados inexpressivos. Nas eleições municipais de 2008, entre as 100 maiores cidades, perdeu em quase todas. Lula sempre foi contra a reeleição e só resolveu disputá-la para tentar salvar o PT. Sua reeleição foi um plebiscito para decidir se deveria continuar governando mais quatro anos ou não. Mas tudo indica que agora ele não fará o sucessor justamente por causa da mesmice na qual o PT mergulhou.



Veja - Ao contrário do que muita gente acredita, o senhor aposta que Lula, mesmo com toda a popularidade, não conseguirá eleger o sucessor.



Montenegro - Uma coisa é ele participar diretamente de uma eleição. Outra, bem diferente, é tentar transferir popularidade a alguém. Sem o surgimento de novas lideranças no PT e com a derrocada de seus principais quadros, o presidente se empenhou em criar um candidato, que é a Dilma Rousseff. Mas isso ocorreu de maneira muito artificial. Ela nunca disputou uma eleição, não tem carisma, jogo de cintura nem simpatia. Aliás, carisma não se ensina. É intransferível. "Mãe do PAC", convenhamos, não é sequer uma boa sacada. As pessoas não entendem o que isso significa. Era melhor ter chamado a Dilma de "filha do Lula".



Veja - Porém já existem pesquisas que colocam Dilma Rousseff na casa dos 20% das intenções de voto.



Montenegro - A Dilma, em qualquer situação, teria 1% dos votos. Com o apoio de Lula, seu índice sobe para esse patamar já demonstrado pelas pesquisas, entre 15% e 20%. Esse talvez seja o teto dela. A transferência de votos ocorre apenas no eleitorado mais humilde. Mas isso não vai decidir a eleição. Foi-se o tempo em que um líder muito popular elegia um poste. Isso acontecia quando não havia reeleição. Os eleitores achavam que quatro anos era pouco e queriam mais. Aí votavam em quem o governante bem avaliado indicava, esperando mais quatro anos de sucesso.



Veja - Diante do quadro político que se desenha, quais são então as possibilidades dos candidatos anunciados até o momento?



Montenegro - Faltando um ano para as eleições, o governador de São Paulo, José Serra, lidera as pesquisas. Ele tem cerca de 40% das intenções de voto. Em 1998, também faltando um ano para a eleição, o líder de então, Fernando Henrique Cardoso, ganhou. Em 2002, também um ano antes, Lula liderava – e venceu. O mesmo aconteceu em 2006. Isso, claro, não é uma regra, mas certamente uma tendência. Um candidato que foi deputado constituinte, senador, ministro duas vezes, prefeito da maior cidade do país e governador do maior colégio eleitoral é naturalmente favorito. Ele pode cair? Pode. Mas pode subir também.



Veja - A entrada em cena de Marina Silva, que deixou o PT para disputar a eleição presidencial pelo PV, altera o quadro sucessório?



Montenegro - A Marina é a pessoa cuja história pessoal mais se assemelha à do Lula. É humilde, foi agricultora, trabalhou como empregada doméstica, tem carisma, história política e já enfrentou as urnas. Além disso, já estava preocupada com o meio ambiente muito antes de o tema entrar na agenda política. Ela dificilmente ganha a eleição, mas tem força para mudar o cenário político. Ser mulher, carismática e petista histórica é sem dúvida mais um golpe na candidatura de Dilma.



Veja - Na hora de votar, o eleitor leva em consideração o perfil ético do candidato?



Montenegro - Uma pesquisa do Ibope constatou que 70% dos entrevistados admitem já ter cometido algum tipo de prática antiética e 75 % deles afirmaram que cometeriam algum tipo de corrupção política caso tivessem oportunidade. Isso, obviamente, acaba criando um certo grau de tolerância com o que se faz de errado. Talvez esteja aí uma explicação para o fato de alguns políticos do PT e outros personagens muito conhecidos ainda não terem sido definitivamente sepultados.



Depois dessa, caros amigos, peço-lhes desculpas, mas não consigo me conter: KKKKKKKKKKKK...... Essa foi demais! KKKKKKKKKKKKKK...... Esses intelectuais são o máximo!!!



No nosso linguajar: eita bola fora da bexiga!



O que me deixa mais feliz nessas eleições é saber que essa grande imprensa nojenta do eixo Rio-São Paulo (Globo, Veja, Época...) não tem mais o poder de fazer a cabeça do brasileiro. Este povão, em quem a Rede Globo mandava e desmandava, finalmente tomou juízo.



Desmascaramos a grande imprensa!

E não estou aqui bancando uma de cabo eleitoral da candidata do Presidente, mas é que acho um verdadeiro acinte ao povo brasileiro e à democracia, o que a grande imprensa vem fazendo nessas eleições: imparcialidade ZERO!


Dá-lhe, povo brasileiro!

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

PORQUE NÃO VOTO SERRA 1

Metrô é outra mentira do Serra. Ele faz um km por ano !


Publicado em 14/08/2010 Compartilhe
Imprima





Na foto, a maior obra do metrô do Serra: uma cratera, com oito mortes


O jenio prometeu construir 400 km de metrô, se fosse (“fosse”, porque não será) eleito.
O poste dele em São Paulo, o vice-governador disse que o jenio “exagerou”.
O PT fez um rápido levantamento e mostrou que os tucanos constroem um quilômetro de metrô por ano.
O Serra precisaria governar 400 anos para cumprir o que promete.
O que não quer dizer nbda.

Ele assinou um papel timbrado da Folha (*) – clique aqui para ler o documento – em que jurou cumprir o mandato de prefeito até o fim.



O PT fez esse estudo sobre a mentira metroviária do jenio:

Metrô de São Paulo avança 1,4 km por ano

Os tucanos, à frente do governo do Estado de São Paulo, construíram apenas 21,6 Km de linhas do metrô entre 1995 e 2010, o que representa uma média de 1,4 km por ano. É a menor rede metroviária entre as grandes capitais do mundo, com 65,9 km.

Comparando com Cidade do México, que começou a construir o metrô na mesma época de São Paulo e hoje conta com 201 km de linhas, percebe-se a grande morosidade na construção do metrô paulistano.

O governo Serra/Goldman, especificamente, construiu 5,6 km. Mesmo assim, a “expansão” das linhas do metrô de São Paulo é constante propaganda do PSDB. O candidato tucano chegou a prometer, inclusive, que, se eleito presidente, vai construir 400 km de linhas metroviárias em nove capitais do país. A declaração surpreendeu até mesmo o governador Alberto Goldman. “Ele exagerou”, afirmou o tucano.

A gestão Serra também deixou de investir R$ 1,3 bilhão na expansão da rede de metrô de São Paulo em 2009. Ao todo, estava previsto o gasto de R$ 3,3 bilhões, mas foram aplicados R$ 2 bilhões na ampliação, segundo balanço do Metrô, publicado no Diário Oficial do Estado em abril deste ano . O valor de investimento estava previsto no orçamento 2009, aprovado pela Assembleia Legislativa.



A redução dos investimentos ocorreu principalmente pelo atraso na Linha 5-Lilás. O trecho deixou de receber R$ 1 bilhão, o equivalente a 80% da verba prevista. Segundo a empresa, não houve falta de recursos financeiros nas obras.



Corrupção



O metrô de São Paulo custou R$ 400 milhões/km (aproximadamente US$ 220 milhões/km), segundo informações da própria Secretaria dos Transportes Metropolitanos. No metrô de Madri, foram gastos US$ 42 milhões/km, ou seja, cinco vezes menos que em São Paulo.

A Bancada do PT na Assembleia Legislativa tem denunciado superfaturamento e corrupção na construção do metrô paulistano. A multinacional Alstom, fabricante de vagões de trens e metrôs, é investigada no Brasil e na Europa sob a acusação de ter pagado propina para obter contratos com o governo do PSDB ao longo dos 15 anos do partido na condução do Estado de São Paulo.

Enquanto, o Ministério Público Federal apura os crimes de lavagem de dinheiro e contra a ordem tributária, o Ministério Público de São Paulo investiga os atos de improbidade administrativa praticados por autoridades públicas e lesivos ao patrimônio Estado.

Apesar do escândalo internacional, a empresa seguiu firmando novas prorrogações de contratos.

Além de todas essas denúncias de corrupção, o Metrô será obrigado a pagar uma indenização de R$ 200 milhões ao Consórcio Via Amarela, valor originário pela mudança do método de escavação dos túneis, solicitada pela companhia em 2004, para agilizar a entrega da obra e que ocasionou o desabamento da Estação Pinheiros, responsável pela morte de sete pessoas.


Mais informações:

Assessoria de Comunicação

Liderança do PT na Assembleia Legislativa de SP

11 3886 6442

imprensa@ptalesp.org.br

www.ptalesp.org.br

twitter/ptalesp

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

OS nonatos - Ponto Final



Música repleta de poesia dos Nonatos, Ponto Final.
Link para download abaixo:
http://www.easy-share.com/1911421779/OS NONATOS - 13 PONTO FINAL.mp3

quarta-feira, 21 de julho de 2010

LIVRO VIRTUAL



Olá amigo navegante. Depois de pensar um pouco resolvi colocar alguns textos em formato digital. Alguns poemas que compõe o livro "Os jardins do coração" serão disponibilizados no projeto "Manuscritos". O download é gratuito pelo easyshare. Espero que gostem.

O LINK PARA DOWNLOAD:

http://www.easy-share.com/1911408509/Manuscritos1.pdf

Boa leitura!

...

Que teus dias sejam belos desde os primeiros raios de sol. Que as cores tênues do amanhecer tragam consigo a esperança na renovação da vida.


Que nenhum problema pareça grande demais, pois assim como a noite mais densa, eles irão ceder lugar a luz que irradia do coração dos homens e mulheres de boa vontade.

Que assim como o sol, você possa levar luz aonde for. Não deixe que os maus sentimentos e os ressentimentos trazidos pela labuta te façam esquecer que o mais importante da vida é o amor. Ame o que você faz independente do que você faz.

Procure se apaixonar por você todas as vezes que se olhar no espelho, mesmo quando o reflexo for se tornando o de um ilustre desconhecido. Cabelos brancos e marcas de expressão não são inimigos, e se você os olhar com carinho, pode ser que lhe tragam ótimas recordarções.

Inspire carinho e expire o rancor. Diga a você mesmo que ainda a muito a fazer, que o mundo é belo e que sonhos impossíveis são aqueles que não queremos tornar realidade.

E ao final do dia, abrace quem você ama, ligue para um velho ou novo amigo. Amizades são como flores num jardim, precisam de água de vez em quando ou ressecam. E quando for dormir, em meio as preces apressadas que se faz antes do sono nos dominar, lembre que o dia vivido foi um milagre único e se possível agradeça. Você vai ver como pequenos gestos são capazes de transformar grandes realidades.


A vida só pode ser compreendida olhando-se para trás; mas só pode ser vivida olhando-se para a frente. - Soren Kierkegaard

sexta-feira, 2 de julho de 2010

E SE DISSESSE QUE TE AMO?

As vezes fico pensando:


E se dissesse que te amo?

Você poderia sorrir,

Dizer que sempre esperou

Que sabia em seu coração

E seríamos felizes a vida inteira.

Mas, e se dissesse que te amo?

Você poderia ficar surpresa,

Dizer que não sabia como reagir

E isso me traria tristeza.

Mas, e se dissesse que te amo?

Você poderia pedir desculpas

Dizer que confundi o sentimento

Que não era sua intenção

E isso sem dúvida

Partiria meu coração.

Então prefiro o silencio

De minha própria rejeição

A dizer que te amo

Conhecer a verdade

E não poder mais manter minha ilusão.

domingo, 6 de junho de 2010

PROCURAM-SE ROMÂNTICOS

Dizem os românticos estão à beira de extinção. Sinto-me no dever de discordar. Não é que os que expõem seus sentimentos estejam desaparecendo, são as pessoas que tem medo de sentir. Charlie Chaplin já havia dito que pensávamos de mais e sentíamos de menos.

Procuram-se românticos. Mas, mais que isso, procura-se quem ainda queira se encantar com um olhar, se admirar com o brilho das estrelas e sentir o doce aroma do orvalho da manhã que ainda cobre as flores dos campos quando o sol inicia sua jornada incansável e infinita.

Procuram-se os que ainda sonham, a mais que isso, os que ainda tem coragem de sonhar com dias melhores, de denunciar injustiças, de ser duros quando necessário, mas sem jamais perder a ternura.

Procuram-se os que sentem, e sentem em demasia. Os que descobriram o valor do riso diário, das alegrias simples, e compreenderam que ser feliz não quer dizer nunca estar triste.

Procuram-se homens e mulheres que desejam amar, mas amar de verdade, sem medo do desconhecido. Pessoas que desejem compartilhar não apenas os corpos, mas a alma, o coração, os medos, as fraquezas e as esperanças.

Procura-se o ser humano interior. Procuram-se nós mesmos, do modo que somos, sem máscaras ou distorções artificiais.

Encontrem essas pessoas e verão que os românticos não morreram e que há muito amor no mundo. O que ocorre é que infelizmente colocaram coisas fúteis demais na frente dele.

domingo, 30 de maio de 2010

A PARTIDA



O homem olhava para o tabuleiro apreensivo. Foi um jogo demorado que se aproximava do fim e suas alternativas agora eram quase inexistentes. A bela e jovem mulher a sua frente possuía um aspecto terno e jovial. Os olhos castanhos claros, grandes como amêndoas e aquele sorriso indecifrável como o da Monalisa eram cativantes. Não sabia como tantos tinham medo do encontro com ela.

_ Creio que não há muito para se fazer. Disse ele um tanto melancólico.

_ Realmente não há. Concordou ela pacientemente com uma voz de veludo.

Observou as poucas peças que haviam lhe sobrado. Um cavalo, uma torre, um bispo e dois peões. O seu rei sem forças diante de eventuais ataques. Uma vida inteira numa partida que terminaria em breve.

_ É injusto! – Agora havia indignação em sua voz. – Não havia como ganhar!

_ Mas você não está perdendo, objetou a jovem.

_ Como não? Comecei a perder na ocasião do meu nascimento. Minha primeira respiração denunciou que um dia o jogo ira chegar ao final. Como vencer você? Como derrotar a morte?

O sorriso da Monalisa quase desapareceu, ela baixou a cabeça e suspirou.

_ Pensei que tinha entendido tudo Michael. Não é o modo que tudo termina que conta, é o que você fez até esse momento chegar que dá significado a tudo. Consegue lembrar de grandes coisas? Não de coisas que signifiquem algo para muitos, mas coisas que significam muito para você?

Ele pensou um pouco. Lembrou do dia em que segurou Peter nos braços pela primeira vez, parecia tão frágil e mesmo assim um leve suspiro dele tirava todas as suas forças. Fechou os olhos e viu o vestido branco de Jéssica no dia de sua primeira comunhão, como ela tinha ficado bonita entrando na igreja com a vela na mão! E o sorriso de Sophia, o sorriso que tantas vezes lhe deu paz e esperança e que cessou quando ela partiu para a eternidade.

_ Sim, consigo.

_ E mesmo assim ainda encara esse momento como uma derrota?

_ É que não sei se estou pronto.

_ Você também não sabia se estava pronto quando iniciou a partida. Isso não o impediu de viver.

_ É normal ter medo? Havia inquietação em sua voz.

_ Sempre que não se compreende uma realidade. Bem, em outras situações também, mas o medo não é obstáculo para nada. Santos Dumont deve ter tido medo quando decolou no 14 bis, e mesmo assim provou que era capaz de voar.

Ele levou a mão a cabeça para coçar os cabelos, e só depois lembrou que eles não estavam mais lá. Envelhecera tanto durante a conversa.

_ E o que vou encontrar do outro lado quando nossa partida chegar ao final?

A mão dela levou uma mecha de cabelo castanho para trás da orelha, o sorriso tornou-se mais expressivo. “Se eu fosse mais jovem me apaixonaria de novo”, pensou Michael.

_ Creio que você vai semear aquilo que plantou. Deve ser por isso que muitos se desesperam, mas também há os que encontram paz nessas palavras. Mas quer saber mesmo o que ocorre?

Michael fechou os olhos. Voltou a ter dez anos e acreditar que estrelas cadentes realizavam desejos, que o amor a primeira vista existe e que o mundo nunca será do mesmo tamanho que os sonhos. Ao abri-los tinha vinte e cinco anos, a mesma idade de quando conheceu Sophia e decidiu que poderia ser feliz.

_ É como nascer não é? A gente cresce tanto que não cabe no ventre materno onde fomos gerados, nutridos e amados, então vem a hora que temos de deixar o lugar que nos parecia seguro para um plano maior e desconhecido. É isso, não é?

Ela levantou e estendeu a mão em sua direção.

_ Só tem um jeito de descobrir.

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Hino a Venturosa

Relembrando bons tempos



Essa veio do fundo do baú. Josimar Henrique cantado uma música dos Scorpions quando fazia parte da extinta orquestra Os Trovadores, um grupo formado pelos melhores músicos que a cidade de Venturosa já possuiu. Vale a pena relembrar com uma certa saudade.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

UMA LENDA CHINESA


Certa lenda chinesa conta que estavam duas crianças patinando em cima de um lago congelado. Era uma tarde nublada e fria e as crianças brincavam sem preocupação. De repente , o gelo se quebrou e uma das crianças caiu na água.


A outra criança vendo que seu amiguinho se afogava debaixo do gelo, pegou uma pedra e começou a golpear com todas as suas forças, conseguindo quebrá-lo e salvar o amigo. Suas mãos estavam feridas e doía muito todo o seu corpo.

Quando os bombeiros chegaram e viram o que havia acontecido, perguntaram ao menino:

- Como você conseguiu fazer isso? É impossível que você tenha quebrado o gelo com essa pedra e suas mãos tão pequenas!

Nesse instante apareceu um ancião e disse:

- Eu sei como ele conseguiu.

Todos olharam para ele aguardando a resposta. O ancião então respondeu:

- Não havia ninguém ao seu redor para dizer-lhe que ele não era capaz."

domingo, 16 de maio de 2010

Vox Populi/Band traz Dilma com 38% e Serra com 35%



Vox Populi/Band traz Dilma com 38% e Serra com 35%


Após superexposição, petista passa tucano pela primeira vez; Marina Silva (PV) tem 8% das intenções de voto

iG São Paulo
15/05/2010 19:20


O Vox Populi divulgou neste sábado pesquisa de intenção de voto para as Eleições 2010. A pesquisa, encomendada pela Rede Bandeirantes, mostra pela primeira vez a ex-ministra da Casa Civil Dilma Rousseff (PT) à frente do ex-governador José Serra (PSDB), após período de superexposição da petista no rádio e na TV. Na pesquisa estimulada, Dilma aparece com 38% das intenções de voto, contra 35% do tucano. Como a margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, assim como na última pesquisa Vox/Band os dois candidatos estão tecnicamente empatados.

Eleições 2010

Pesquisa Vox Populi/Bandeirantes


Em abril, na segunda rodada do levantamento, Serra tinha 34% das intenções de voto, contra 31% de Dilma. Em janeiro, na primeira rodada, a diferença do tucano era de 34% contra 27%. Os números referem-se ao cenário com o deputado Ciro Gomes (PSB), que ainda era um dos possíveis candidatos. No cenário sem Ciro Gomes, Serra aparecia com 38% contra 29% de Dilma, em janeiro, e com 38% contra 33% de Dilma, em abril.

O terceiro lugar na pesquisa de maio coube à ex-ministra Marina Silva (PV), com 8% das intenções de voto. Em abril, ela havia registrado 7% e em janeiro, 8% - no cenário sem Ciro Gomes.

Não quiseram ou não souberam responder 11%, enquanto votos nulos e brancos contabilizam 8%.

Na pesquisa espontânea, em que o entrevistado diz o nome do candidato sem o auxílio da lista, Dilma também aparece na frente, com 19% das intenções de voto, seguida de Serra, com 15%. Em terceiro lugar, mesmo não sendo candidato, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi lembrado por 10% dos entrevistados. Na última pesquisa Vox/Band, Lula era lembrado espontaneamente por 16%.

Segundo turno

Dilma passou Serra também na pesquisa para o segundo turno, mas novamente há empate técnico. Enquanto a petista aparece com 40% das intenções de voto, o tucano tem 38%.

Na rodada de janeiro, Serra tinha uma vantagem de nove pontos percentuais: 46% a 35%. Em abril, não houve pergunta sobre segundo turno.

Eleições 2010

Pesquisa Vox Populi/Bandeirantes


A pesquisa Vox Populi/Bandeirantes foi registrada junto no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no dia 7 de maio, com o protocolo de número 11.266/2010. Foram realizadas duas mil entrevistas, pessoais e domiciliares, de 8 a 13 de maio, em 117 municípios de todas as regiões do País.

sábado, 8 de maio de 2010

Enquete

Caros amigos, parece que algumas pessoas tem algo contra o locutor Helton Bezerra. Mais uma vez ele foi afastado dos estúdios da Rádio "Comunitária" Venturosa - FM sem justa causa. O jovem Helton é um locutor carismático e esforçado, pontual em suas obrigações e que por muitas vezes se dedicou de corpo e alma pelo bem dessa emissora.
Estou solidarizado com este jovem, por isso lanço aqui a enquete sobre o assunto. Se você é ouvinte da Venturosa FM, ligue, envie e-mails, vá a sede da emissora e pergunte: O que Helton fez para merecer ser afastado? Será que a vontade do ouvinte da Rádio "Comunitária" não conta?

A viagem - Roupa Nova

terça-feira, 4 de maio de 2010

O caminho do guerreiro - Paulo Coelho

A espada sagrada, afiada e brilhante, sempre corta o mal pela raiz. Se essa espada fosse feita de ferro estaria cheia de impurezas, e se quebraria ao primeiro golpe: entretanto, ela foi trabalhada e martelada pela mão do ferreiro, transformou-se em aço, e isso é também uma qualidade do homem ou da mulher que a empunham.

Cada golpe recebido no passado foi também uma maneira de aprender alguma lição, e evitar armadilhas no futuro.

O verdadeiro caminho está baseado nas quatro virtudes, e querer limitá-lo à sua manifestação física, é querer deixá-lo mais pobre – porque o corpo tem seus limites.

A alma, entretanto, é tão grande como o universo, e pode entender tudo que o amor nos ensina.

O verdadeiro guerreiro está sempre armado com três coisas: a espada radiante da pacificação, o espelho cristalino da sabedoria e amizade, e a jóia preciosa da luz Divina. E esta luz Divina não está no céu nem na terra, está dentro de cada um.

TEXTO DE PAULO COELHO

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Testamento



Por finalmente ter consciência de que sou humano, e mesmo crendo que exista em nós uma parte infinita, acabo por aceitar o fato que minha presença neste plano não é eterna. Começo então a tentar redefinir minhas prioridades. Não quero mais ver anúncios apelativos. Nada de compra, venda, alugue, vista, dirija, não, quero voltar a me sentir um ser humano, e não um ter humano, um sujeito-consumo sem objetivos claros na vida além desse materialismo desenfreado.

Ao dizer que procuro reavaliar minhas prioridades, fiquei tentado a mudar meu testamento. Li e reli várias vezes o original, e vi que não fiz justiça ao distribuir meus bens. Aqui está uma versão mais recente e também passível de alterações:


Eu, cidadão do mundo, no pleno uso de minhas faculdades mentais, assim distribuo o que possui de mais precioso nessa vida:


A minha esposa, deixo-lhe a reciprocidade do amor e da entrega, a lembrança das tardes de sábado e dos risos nas noites de verão. Deixo-lhe o amor infindo, o beijo dado e tantas vezes repetido, o desejo sincero de sua felicidade e a recordação de tudo o que fomos um para o outro.


Ao meu filho deixo o exemplo de um pai frágil e imperfeito, mas que dentro de suas limitações procurou exortar, compreender e amar. Deixo-te o vento, as gotas de orvalho, o gramado verde aonde poderás se redescobrir ao rir dos primeiros passos do teu filho, e que quando abraçá-lo, seja por carinho ou proteção, possa ver o quanto nos tornamos parecidos, mesmo sem tanto desejo.


A minha filha deixo minhas esperanças, deixo o luar e o amanhecer, deixo cada uma das milhares de rosas da primavera, o som da música tocada pela sinfônica das chuvas de verão. Deixo um carinho que nem eu mesmo sabia que possuía e o desejo sincero que conquiste seus objetivos sem jamais perder sua ternura.


E a cada um e cada uma que compartilham esse milagre da existência deixo a possibilidade de uma sociedade fraterna, menos injusta e mais inclusiva. Deixo os abraços amigos, as gargalhadas nas mesas, aonde quer que estejam, os passos tímidos de dança (e os mais extravagantes também), o sorriso no canto dos olhos quando se vê quem se ama e a certeza de que a felicidade é possível, desde que se acredite nela.


O restante dos meus bens são irrelevantes. O maior deixarei na terra, meus amigos e familiares que mais do que ninguém, darão significado a minha vida.






Com amor, Eu, cidadão do mundo, peregrino nesta terra e aspirante do universo.



domingo, 25 de abril de 2010

Os dois caminhos


Quando era jovem, aprendeu o que era certo e errado, e quando julgou saber o suficiente, abandonou a casa paterna e saiu a trilhar o caminho da vida. Houve dias em que correu e saltou com alegria, houve aqueles que tropeçou nas pedras, caiu e se machucou. As vezes levantar foi fácil, em outras desejou permanecer deitado até que tudo chegasse ao fim.

Com o tempo descobriu que as quedas educavam, e que o levantar era uma batalha e o perseverar no caminho uma graça. Em alguns trechos encontrou companhia (nem sempre adequada) e em outros descobriu que caminhar sozinho nem sempre é sinônimo de solidão. Em seu coração nutria sonhos e projetos, que sabia eram possíveis de realizar.

Mas até aquele dia seu coração não estava preparado o momento onde a estrada se torna mais estreita para depois se dividir em duas. Qual caminho seguir? Procurou alguma indicação e viu que os dois caminhos possuíam placas idênticas: Alegria e tristeza, Vitória e Derrota.

A insegurança atormentava. Então dando alguns passos para trás ouviu a voz de um velho:

_ Não podemos voltar no caminho da vida. Querer refazer o caminho por insegurança a pedir ao universo que envie dor ao seu coração.

Ao olhar para trás viu que o velho caminhava em sua direção.

_ Quem é você?

O velho não respondeu.

_ É normal ter dúvidas nessa parte do caminho. Avançamos tanto que as escolhas se multiplicam, mas não são as escolhas que definem uma vida. O que nos define é o modo como nos comportamos diante do que escolhemos..

_ Então por que as placas são iguais? Os caminhos são os mesmos?

O velho sorriu:

_ Não os caminhos. O destino é o mesmo, sempre, o que muda são as condições da chegada. Ao escolher o caminho, você também escolhe como vai percorrê-lo. Suas escolhas podem trazer resultados que você não desejava, e isso é mais normal do que você imagina. Há pessoas que aceitam essa realidade e tentam aprender com as experiências, elas amadurecem e continuam seu caminho. E mesmo diante das maiores tristezas, encontram alegria em seus corações. Entendem que vencer e perder são lados de uma mesma moeda, e que pequenos fracassos não impedem ninguém de ser vitorioso.

“Mas há aqueles que não compreendem isso. Não compreendem que muito do que passam resultam de suas escolhas e culpam os outros, a si mesmo ou o Criador pelos problemas. Por não se contentarem com as pequenas alegrias, vivem imersos em tristezas. Por não compreender que os erros superados contribuem para o seu crescimento, não desfrutam de suas vitórias e constroem para si palácios de dor e sofrimento.

Ambos sorriram, pois é o que ocorre quando se entende aquilo que a vida tanto quer revelar.

O velho se foi. Antes de dar o próximo passo, palavras foram sussurradas a um coração: Não deixe que meus olhos me ceguem com o brilho daquilo que é passageiro, nem que meus ouvidos esqueçam o som da verdade. Que possa ver o essencial com teus olhos e procure aquilo que realmente nos faça feliz”.

E só depois disso escolheu o seu caminho.

EMERSON LUIZ

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Perdoe-me

MINHAS DESCULPAS


Devo isso a você meu amigo, a você que acompanha este humilde blog e a você, companheiro navegante que chegou até aqui por acaso. Esse é um blog de poesia. Quando o idealizei foi com o objetivo de divulgar belas palavras e pensamentos, e entre poemas e textos célebres, divulgar alguns dos meus.

Mas não posso me eximir das minhas convicções, não devo fingir uma falsa neutralidade e permitir que meus ideais esmoreçam.

De que vale a pena sem o sentimento? A palavra sem a convicção?

Procuro ser poeta, sou professor, e acima de tudo isso, sou um cidadão comprometido com as causas sociais do meu tempo. Não posso me omitir a tudo o que acredito.

Por isso, peço que me desculpem se os recentes posts sobre política não agradam tanto quanto os poemas, crônicas e vídeos motivacionais. Espero que possam me perdoar, mas eles serão mantidos ocasionalmente até o resultado das eleições.

Para os que desejarem , os comentários estão disponíveis.

Abraço amigo.

Emerson Luiz

E O MANO BROWN TAMBÉM NÃO GOSTA DO SERRA!

Graças a Deus não estou sozinho no universo!

E O SERRA PEDIU PRA NINGUÉM VOTAR NELE!!!

É isso mesmo! Quando disputou as eleições para prefeito de São Paulo em 2004, já mirando o cargo de governador, ele disse claramente que se abandonasse o cargo antes do final do mandato seus eleitores não deveriam votar nele. Ele abandonou o governo da cidade, foi eleito governador e coneguiu crateras, desabamento de vigas e alagamentos (só nas áreas pobres). Espero que isso sirva para refrescar nossa memória!

quarta-feira, 21 de abril de 2010

PESQUISA DATAFOLHA EM QUE SERRA DISPARA É FALSA!!!!

Comprovada fraude no Datafolha: plano amostral apresentado ao TSE foi fraudado


Em primeira mão no blog Os Amigos do Presidente Lula em 18/04/2010 às 14:01





Ao registrar sua pesquisa de março no TSE (protocolo 6617/2010) o Datafolha apresentou informações falsas, que não corresponderam à verdade.

Informou à Justiça Eleitoral:

Plano Amostral:


"... Os dados utilizados para definição e seleção da amostra são baseados no IBGE (censo 2000 e estimativas 2009)..."

Não foi isso que foi feito.

A seleção das amostras não foram baseadas em dados do IBGE.

Houve muito maior peso da região sudeste, e especificamente de São Paulo, na seleção das amostras, muito acima de seu peso real, de acordo com dados do IBGE.


Não resta mais qualquer dúvida quanto à falta de legitimidade da pesquisa de março do Datafolha, pois houve fraude entre o plano amostral apresentado e o realizado.

E quanto ao TSE? O que vai fazer com o Datafolha que apresentou uma declaração falsa, ao registrar a pesquisa?

Em tempo:
Para entender os números da fraude, compare na figura acima os números dentro da linha vermelha:
Base ponderada = deve ser a proporção de acordo com dados do IBGE
Total Nos.absolutos = amostras selecionadas pelo Datafolha

FONTE: http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/

segunda-feira, 19 de abril de 2010


Vinicius de Moraes assim iniciou o seu soneto da separação:

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto


Não desejo escrever sobre separação, é muito drástico e deprimente. Desejo escrever-lhes sobre amizade, encontro e esperança.

Da amizade que brota da vida, mesmo entre pessoas tão diferentes, que não possuem quase nada em comum, e de repente: o milagre único da vida os torna amigos. Passamos a dividir nossas experiências, sonhos, desejos, medos, e assim, deixamos de ser sozinhos para caminhar juntos durante parte de nossa estrada.

E nesse encontro, acabamos descobrindo que quando alguém discorda de nós, essa pessoa é capaz de nos tornar melhores. Passamos a nos reavaliar, repensar atitudes e comportamentos, e graças ao outro, vemos como o mundo pode ser ainda mais belo, e que cada um traz em si um mistério a ser revelado, um milagre a ser vivido e um sonho a ser realizado.

Durante pouco mais de dois anos fui agraciado por Deus todos os dias. Ao adentrar nos átrios dessa casa e me deparar com a esperança que somente os jovens são capazes de despertar aprendi a ser um ser humano melhor, a não ter medo do diferente, a sorrir para espantar problemas e às vezes a chorar quando estava muito feliz.

Errei tanto quanto acertei. Quebrei a cara algumas vezes, fui severo quando devia ser terno, e às vezes me senti mais manso do que deveria, mas não me arrependo de nada. A vida não nos permite mudar o passado, tão pouco antecipar o amanhã. Ela nos dá de graça o hoje, para ser o que quisermos fazer dele, por isso o chamamos presente.

Então que no hoje de minha vida, possa agradecer a cada um de vocês, estudantes que compartilharam um pouco de sua vida comigo. E quando a saudade parecer maior que posso suportar, fecharei os olhos e recordarei dos bons momentos, dos risos e brincadeiras e até mesmo das piadas sem graça que agora, estranhamente, parecem tão divertidas, pois como disse certa vez Adriana Falcão: “Saudade é quando o momento tenta fugir da lembrança para acontecer de novo e não consegue."

Por fim, agradeço a cada um cada uma que me concederam a maior dádiva dessa vida: o tesouro incomensurável de sua amizade e companhia.

Que DEUS abençoe a cada um e cada uma, e que um dia, na presença ou na saudosa e viva lembrança, possamos nos reencontrar.

Abraço amigo,

Emerson Luiz