quarta-feira, 29 de julho de 2015

JORNAL A NOTÍCIA SE PRONUNCIA SOBRE MATÉRIA A RESPEITO DE VENTUROSA: AS CORES USADAS NÃO TEM SIMBOLOGIA POLÍTICO - PARTIDÁRIA

Antes da nota, quero aqui registrar a minha felicidade em encontrar com jornalistas sérios, Flávio J Jardim - Pedro Benigno, Editores Jornal A Notícia, que tomando conhecimento dos possíveis equívocos elencados na reportagem que trata do cenário político em Venturosa, não tardaram a esclarecer os pontos controversos com cordialidade e clareza. Que os leitores do blog saibam que muitas vezes os meios de comunicação furtam-se do debate e quando o fazem é por meio de erratas editadas para que alguém dificilmente as leia.

O JORNAL A NOTÍCIA agiu de forma diferente e merece destaque por isso. É assim que se conquista e mantém a credibilidade. Leia publicada pelos jornalistas na página do blog na rede social Facebook.

Fac smile da página do jornal A Notícia. O uso das cores gerou amplos comentários em Venturosa.


JORNAL A NOTÍCIA

Caro Emerson. Li seu comentário, neste blog considerado um dos melhores da região. O Blog Amo Venturosa atravessou os limites da cidade e é lido em toda região. Optamos em citar o blog na reportagem, devido a sua imparcialidade e trato com a verdade. Gostaria de esclarecer que, em nenhum momento, a matéria fala sobre "um vice vermelho", como você questionou em seu comentário. Pela reportagem que apurei, o vice-prefeito Iterbo continua no grupo Amarelo e deverá ser um parceiro fundamental nas eleições de 2016. Todos que entrevistei disseram que Iterbo será o vice, numa possível candidatura de Ernandes. Quanto à fonte, realmente você tem razão. O Blog Amo Venturosa apenas republicou trechos da entrevista do ex-prefeito Eudes. Quanto às cores, o Departamento de Arte do Jornal nos informou que "Cores são Cores" e que esses recursos foram utilizados para dar mais 'leveza' à diagramação do jornal, sem qualquer simbologia política. Abraços,Flávio J Jardim - Pedro Benigno, Editores Jornal A Notícia.

Em seguida a resposta do blog: 

Obrigado pela consideração em responder,Flavio José Jardim Jardim. No caso do vice do grupo vermelho, creio que eu não me fiz entender. Esse tema já está sendo tratado em outros blogs e realmente não foi citado pelo jornal. Quero parabenizá-lo publicamente pela polidez, ética e rapidez em esclarecer os pontos elencados no meu blog. Características raras em grandes meios de comunicação e que trazem ao jornal A Notícia credibilidade entre nós, cidadãos e cidadãs de Venturosa. Emerson Luiz.
---------------------------------------------------------------------------------

Considerações gerais

SOBRE O CENÁRIO POLÍTICO MUNICIPAL - Há de se ter cuidado com especulações. Na política de Venturosa há uma farta industria de boatos que trabalha para desinformar o povo e gerar rejeição em candidatos. É preciso refletir a quem interessa desestabilizar o diálogo político a nível municipal. 

O JORNAL A NOTÍCIA oficialmente negou as intenções que lhe foram atribuídas por outros blogs e perfis da rede social facebook, pois trabalha com fatos e não com ilações. É possível que Ernandes aceite o apoio político do grupo vermelho? Sim. Nem ele nem Eudes negariam o apoio de um grupo político tão aguerrido e que traz consigo milhares de votos. O que nos cabe buscar de forma séria são fontes confiáveis dentro do grupo vermelho que possam esclarecer ao povo os projetos políticos que tem para a cidade e o seu desejo ou não de uma candidatura própria.

O BLOG AMO VENTUROSA seguirá com sua série de entrevistas com lideranças políticas locais e em breve terá grandes novidades para os seus leitores.

Mais uma vez agradeço aos editores do jornal A Notícia, que podem voltar a citar esse blog sempre que julgarem oportuno pois demonstraram seriedade e ética no trato com a notícia.

terça-feira, 28 de julho de 2015

COLUNA DE TERÇA SOBRE O JORNAL DA FEIRA, BOATOS SOBRE ALIANÇAS POLÍTICAS E AS ELEIÇÕES DE 2016 EM VENTUROSA.



O JORNAL E ALGUNS  EQUÍVOCOS - Nem só de silêncios vive o homem. Hoje, terça-feira, os feirantes e a população em geral receberam exemplares do jornal impresso A Notícia, assinado pelos editores Flávio J Jardim e Pedro Benigno. O jornal estampa notícias dos municípios de Pesqueira, Sanharó, Alagoinha e Venturosa, muitas delas de tom claramente político. Nada contra, afinal, política sem polêmica é a arma das elites. Mas deve-se ler com cuidado as notícias.

O jornal cita fartamente esse blog e as opiniões dos seus leitores. Houve erros nessas menções, como ter atribuído a esse blog uma entrevista com o ex-prefeito Dr. Eudes. A entrevista com Eudes foi publicada pelo blog Venturosense, do amigo Francis Airon, e o blog reproduziu um trecho da matéria, citando devidamente o autor. O ex-prefeito Eudes Tenório nunca concedeu entrevista a esse blog, mas caso queira fazê-lo, será tratado com o mesmo respeito e terá o mesmo espaço dedicado a outras lideranças políticas que já nos honraram com suas opiniões. Outro ponto que foi omitido na matéria jornalística foi que os pontos citados foram elaborados após o blog sondar várias opiniões. No demais, fico satisfeito em ver que o material aqui produzido possui credibilidade para ser citado em um jornal de circulação regional.

AS CORES DO JORNAL E ESPECULAÇÕES. Muitos interpretaram as cores usadas na página dedicada a Venturosa como um sinal de uma nova aliança política entre o partido amarelo e o vermelho. Um tom rubro substituiu o tradicional verde. Ficam dúvidas se foi apenas uma opção tipográfica ou um recado, mas é cedo para discutir alianças. O próprio Ernandes afirmou no jornal que “2016 só em 2016”, como tanto falava o falecido governador Eduardo Campos.  

Alguns já falam em Ernandes candidato majoritário com um vice do partido vermelho. Bem, isso é colocar o carro na frente dos bois. Ainda não houve nenhuma declaração oficial de rompimento ou adesão e a especulação só favorece a quem gosta de trabalhar com ela. Em política poucas coisas são piores que um fogo amigo vindo de um inimigo.

Tem gente que é especialista em "queimar" candidaturas com boatos falsos, que de tão repetidos ganham tons de verdade.

Numa coisa o jornal acerta, nas próximas eleições o voto do eleitor de oposição será decisivo. E cada voto conta. 


O DISCURSO DE DEMONIZAR O VERMELHO DEVE CADUCAR EM 2016. Durante mais de dez anos o discurso político do governo foi a demonização do grupo vermelho, apontado como responsável por todas as mazelas do município de Venturosa. Uma administração problemática do ex-prefeito Albino virou mote de várias campanhas, mas chegou a hora dessa estratégia caducar. É só o eleitor perceber que o ex-prefeito Eudes e boa parte dos seus primeiros tenentes vieram como dissidentes do grupo vermelho e formaram o grupo verde. Nos oito anos de Eudes muitos mudaram de grupo, uns saindo do governo e indo para a oposição e outros da oposição se tornando ferrenhos governistas. Não há grupo “puro sangue” em Venturosa.

Imaginem a cena hipotética: Determinado político X sai de partido Y para grupo Z. Lá ele detona o partido em que foi filiado e eleito a vida toda. Alguém pode dizer: “pior que cuspir no prato que comeu é comer no prato que cuspiu”.

O eleitor, partidário ou não, merece respeito por parte dos políticos. É dele o poder que é concedido às excelências, que o exercem de forma temporária. O povo além de ser respeitado, merece a fidelidade por parte daquele que elegeu. Fidelidade não a uma cor, mas as ideias que ventilou, as promessas que foram feitas e a uma forma ética e responsável de fazer política. 

Por que digo isso? Esse partidarismo de cores, tão acirrado, impede que Venturosa discuta algo de fundamental importância: o projeto político para 2016, elaborado de forma a atender as necessidades da cidade, levar dignidade para as pessoas e qualidade de vida para todas as regiões do município. Isso só é possível se pararmos de focar em cores para cobrar dos candidatos propostas concretas para a cidade.

Um político pode mudar de partido, mas não pode mudar de essência. Pode mudar de legenda, mas nunca pode abandonar o amor ao povo e a vontade de servir a esse.


Independente dos candidatos serem Ernandes, Eudes, Lemos, Lula, Aécio, Dilma ou qualquer um, 2016 vem aí e deve ser tratado com seriedade. Deixem de lado as cores! Cidades não são arco-íris.

segunda-feira, 27 de julho de 2015

ATENÇÃO AMANTES DA MÚSICA DE VIOLA!!! PEDRA SE PREPARA PARA SUA II NOITE DA POESIA COM A PRESENÇA DOS POETAS VALDIR TELES E IVANILDO VILA NOVA

A cidade de Pedra, no agreste de Pernambuco, conhecido pelo maravilhoso monumento granítico que lhe dá nome se prepara para sua segunda noite da poesia. 

O evento é organizado pela Associação Cultural dos Artistas Pedrenses, presidida por Cledilson Lima, e homenageia o grande poeta Seu É.

Esse ano estarão presentes os consagrados poetas Valdir Teles e Ivanildo Vila Nova. Um evento imperdível para os amantes da poesia. 

Vale a pena conferir esse dois gigantes da nossa cultura!




domingo, 26 de julho de 2015

LBV envia 15 mil quilos de alimentos para vítimas da seca na Paraíba e cidades de outros estados nordestinos incluindo Venturosa, Arcoverde, Alagoinha, Buíque e Pedra.


A Legião da Boa Vontade inicia nesta segunda-feira, 20, a entrega de cestas de alimentos a milhares de famílias vítimas da seca na região Nordeste. Na Paraíba, serão entregues mil cestas de alimentos, contendo itens básicos como arroz, feijão, açúcar, farinha de mandioca, fubá, massa para cuscuz, óleo e outros.

Serão beneficiadas famílias que residem em cidades de extrema pobreza e que sofrem com a seca como: AmparoOuro VelhoSão José dos CordeirosSumé e Zabelê, na Paraíba.
Municípios de mais cinco estados do Nordeste receberão o apoio. São eles: Juazeiro, Curaçá, Sento Sé, Sobradinho e Uauá, na Bahia; Canindé, Irauçuba, Itapipoca e Santa Quitéria, no Ceará; Belágua e Marajá do Sena, no Maranhão; Alagoinha, Arcoverde, Buíque, Pedra, Venturosa, em Pernambuco; e Antônio Martins, Baía Formosa, Espírito Santo, Martins e Taipu, no Rio Grande do Norte.
Na Paraíba, a entrega dos alimentos será do dia 20 a 22 de julho. Em Sumé, na segunda-feira, 20, a partir das 15h. No dia 21: Cordeiros, às 9h; Amparo, às 14h; e Ouro Velho, às 16h. Por último, quarta-feira (22), Zabelê, às 9h.
NOTAS DO BLOG.
O site que primeiro divulgou a nota foi o Araruna Online.
Nele não há informações se a própria Legião da Boa Vontade - LBV - irá distribuir as cestas básicas ou se ONG's estão envolvidas nessa ação. Também não há nenhuma menção de participação de esferas do poder público.
Uma iniciativa assim merece congratulações, já que se propõe a ajudar as vítimas da seca, mas é preciso que a sociedade seja melhor informada sobre os critérios da distribuição e quem, de fato, fará isso nas cidades. Hoje, como em outros tempos, a filantropia pode ser deturpada e usada para fins escusos.
Lembro de quando Venturosa foi fortemente atingida por chuvas em 2004. Barragens destruídas, registros de mortes e acidentes provocados, quem diria, pelo excesso de chuvas. O que pouca gente sabe é que, na época, foi decretado estado de calamidade pública.
O governo enviou alguns itens para serem entregues a população.
Até hoje não se sabe ao certo como foram distribuídos.

O PERIGO DO FASCISMO BRASILEIRO. JAIR BOLSONARO APARECE EM PESQUISA DE POSSÍVEIS PRESIDENCIÁVEIS

Bolsonaro vem aí?

Ilimar Franco – O Globo
O desempenho de Jair Bolsonaro na pesquisa MDA chamou a atenção. Dirigente de partido de oposição diz que os cerca de 5% podem decidir 2018. Cita o pleito de 2014, definido por 3,2% de votos. A desmoralização do PP governista (Lava-Jato) abre portas para sua candidatura. Se vingar, num 2º turno, o voto do segmento não irá por gravidade para outro candidato. Mas de forma organizada e será negociada. 
O fermento à direita
O Movimento Brasil Livre, o Revoltados Online e o S.O.S. Forças Armadas, vinculados ao que se define como direita, foram a vanguarda e usaram as redes sociais para chamar o protesto de 15 de março. Pregam contra o comunismo, pelo combate à corrupção e contra a interferência do Estado na economia. O Revoltados elegeu Jair Bolsonaro como maior porta-voz de suas ideias. O S.O.S. prega a intervenção militar. Todas essas organizações vão às ruas atacando as cotas, os nordestinos, os sem-teto e alguns usam símbolos como a suástica nazista. A corrupção (nos governos do PT) e o descrédito do Congresso e dos partidos (pesquisa MDA) criam a química perfeita para o ressurgimento dessa força.
O potencial de uma candidatura como a de Jair Bolsonaro (4,6%) ou Ronaldo Caiado (1% nas pesquisas), diz o cientista político Alberto Carlos de Almeida, “não tem expressão real”. Espiridião Amin (PPR) fez 2,7% dos votos no pleito de 1994.

Crônica - Sabe aquela foto?


Sabe aquela foto?
Não, aquela da festa em que você queria parecer mais feliz que os outros.
Não, também não é aquela em frente ao espelho da academia em que você quis exibir o corpo com frases de superação como "força, foco e fé".
Falo daquela foto especial.
Você é difícil. ein?
Não é aquela em que segurava o volante do carro que nem era seu. Nem da formatura da colega. É uma das antigas, antes do facebook e do instagram. Cara, na época nem existia Orkut.
Ah, agora eu te peguei, não foi?
Lembra daquele tempo em que a gente era realmente feliz, em que os sorrisos eram genuínos mesmo em fotos de filmes de 24 poses?
Sei que você lembra.
Na foto estávamos todos nós, seus amigos, e seu pais, todos em volta da mesa. Você estava no centro, batendo palmas, querendo muito apagar aquelas velinhas.
Foi naquele tempo em que todos éramos sinceros. (Todos eram crianças). Em que a gente se importava um com o outro, era mais humano e alguns de nós sonhavam em tornar um mundo um lugar mais bacana.
Parabéns pra você!
Lembrou?
Lembra aquela da turma da escola reunida? Não, ninguém botava a língua pra fora nem fazia pose sensual. Outros tempos. No máximo rolava um chifre discreto.
Se você lembra da foto, procure lembrar de quem você era, de como tratava os outros.
Caso queira, tenta resgatar um pouco do que havia naquele tempo.
Tá difícil te ver vivendo de aparência.
Lembra daquela foto?
Parabéns pra você!

Emerson Luiz

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Todo mundo feliz de dizer que culpada pela corrupção é a Dilma, diz Marina. Além de criticar essa postura, a ex-candidata convida a sociedade a passar de espectadora para autora do processo democrático


SAIU NO ESTADÃO - A ex-candidata presidencial Marina Silva criticou, nesta noite, 23, a postura da sociedade brasileira de culpar a presidente Dilma Rousseff pelas mazelas de corrupção no Brasil e discursou sobre a importância de a sociedade brasileira sair da posição de "espectadora da democracia" para passar a autora do processo democrático. "Aqui no Brasil está todo mundo feliz de dizer que a culpada pela corrupção é a Dilma. Quando a corrupção virar um problema nosso, criaremos instituições para coibi-la", disse Marina, defendendo que as pessoas tomem responsabilidade na política.

"Não é sustentável acharmos que a corrupção é o problema de uma pessoa, de um grupo ou de um partido", prosseguiu a ex-candidata ao citar outros políticos que viram alvos de argumentações simplistas como culpados pela existência de corrupção no País, como os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e José Sarney (PMDB).

Marina argumentou que o Brasil só saiu da ditadura quando ela virou um problema de toda a sociedade e não apenas dos militares. "Enquanto a ditadura era um problema apenas dos militares, a coisa era feia."

Internet e democracia

Marina, hoje ainda filiada ao PSB, participa de um evento sobre novas tecnologias e internet, que discute como novas ferramentas podem permitir um envolvimento maior da população. Ela avaliou que a internet pode permitir um envolvimento mais direto com a política, no que classifica de "democracia prospectiva". Essa maneira de interagir, no seu entender, é uma forma de responder à crise civilizatória por que passa o Brasil e o mundo, em que cidadãos tem autonomia para se comunicar e pensar projetos. "A internet possibilita a bilhões de seres humanos entrarem em contato direto um com os outros, de forma que possam prospectar formas de ampliar a democracia", afirmou.

Líder do projeto de um novo partido, a Rede Sustentabilidade, Marina disse que a legenda que tenta criar é uma iniciativa no Brasil, como existem outras no mundo, de "democratizar a democracia", mudando a relação da sociedade com a representação. A ex-candidata discursou sobre sua militância para que a sociedade assuma papel de protagonista e não de espectadora da política. "Esse mundo em crise não terá resposta se for para imaginar que os políticos ou empresários vão fazer as mudanças pela sociedade", afirmou. Ela também defendeu o que chama de "ativismo autoral" para substituir o que classifica como "autorismo dirigido", organizado por grandes corporações, igrejas ou sindicatos.

O evento que Marina participa discute ferramentas digitais para ampliar as possibilidades de democratizar a representação política, coordenado pela organização Eu Voto. Além da ex-senadora, participa da exposição o argentino Santiago Siri, cofundador do partido de la Red.

Siri relatou a experiência do partido de la Red, na Argentina. A legenda, que foi oficializada em 2013, com atuação em Buenos Aires, propôs uma espécie de projeto piloto de democracia no Legislativo municipal da capital argentina. O partido usa um software livre, chamado Democracia OS, em que votações de projetos de lei são discutidos com eleitores. Os parlamentares da legenda se comprometem em votar pela decisão tomada através do software.


quarta-feira, 22 de julho de 2015

PROFESSOR EMERSON ENTREVISTA O VEREADOR CHARLLES ADRIANO


Hoje o Blog Amo Venturosa retoma sua série de entrevistas com políticos e lideranças de nossa cidade. O primeiro entrevistado é o vereador Charlles Adriano, mais conhecido como Charlles de Tonho, que cumpre o seu primeiro mandato. Charlles é servidor público municipal e foi eleito com 353 votos. Seu mandato tem sido pautado pela coerência e pela fidelidade à sua base eleitoral. Nessa entrevista falamos sobre o cenário da política municipal, os rumos da oposição e alguns dos problemas enfrentados pela população de Venturosa. As declarações do entrevistado refletem o seu pensamento e não necessariamente o do Blog. O leitor é livre para comentar essa postagem desde que se identifique. Comentários anônimos não serão mais aceitos nas entrevistas.
O blog mantém o espaço aberto para que todos os interessados possam se expressar. Outros políticos já foram convidados e conforme concedam as entrevistas essa seção será atualizada.

Professor Emerson: Charlles, qual o papel do vereador?

Charlles Adriano: Amigo Emerson, desde já quero agradecer o convite para essa entrevista.  O papel do vereador é ser um grande fiscalizador do dinheiro público. Sabemos que as dificuldades são grandes diante dos trâmites da lei, quando, por exemplo, fazemos uma denúncia ou agimos de modo a orientar o executivo, pois mesmo sendo de oposição, nossa ação tem um papel fiscalizador e por isso, também serve como orientador do poder executivo. Creio que tanto eu quanto os outros colegas temos essa visão, de fiscalizar, cobrar e assim, de certa forma, orientar as ações do poder executivo na medida nos opomos a possíveis erros.

Professor Emerson: Durante muito tempo as pessoas encararam o vereador de oposição como alguém que deve ser sempre do contra. Essa visão corresponde a realidade ou há projetos e matérias em que é preciso acompanhar o Executivo?

Charlles Adriano: Com certeza esse é um grande peso que um vereador de oposição carrega. Mas, como falei anteriormente, nossa postura durante esses dois anos e meio do governo de Ernandes foi o de nos opor ao que não estava correto e nunca nos posicionar contra o que seria bom para o povo. Vou citar um exemplo: o poder executivo colocou um projeto (em votação) em março de 2013 acabando com o concurso público municipal. Ele queria contratar uma empresa para a empresa contratar (funcionários). A gente achou errado e votamos todos os cinco contra.

Professor Emerson: No caso se queria terceirizar os serviços?

Charlles Adriano: Sim, em 2013. E de lá pra cá não teve mais concurso. E agora no final de junho recebemos um projeto para (concurso para) a saúde. Mas aí teve de ser enviado outro projeto derrubando o anterior. Mas só na área da saúde.

Professor Emerson: Nesse projeto não teria distinção entre atividades meio e atividades fim? Faltaria uma especificação de quais atividades seriam terceirizadas?

Charlles Adriano: Tinha sim. No projeto tinha a especificação de todos os cargos que seriam terceirizados. Motoristas, Guarda...

Professor Emerson: E nesse os vereadores de oposição votaram contra?

Charlles Adriano: Todos contra.

Professor Emerson: Houve algum em que votaram a favor?

Charlles Adriano: O Plano Municipal de Educação, todos os 11 vereadores votaram a favor, os investimentos do FEM em nosso município, onde veio quase dois milhões para Venturosa, votamos todos a favor.



Professor Emerson: Assistimos no Brasil uma tendência de rotular todo político como corrupto. Como que “todos calçassem 40”. Isso também ocorre em nosso município?

Charlles Adriano: Infelizmente uma grande parte da população acha que todo político calça 40 e que todo político é corrupto. Mas nem todos são assim. Existem algumas traições na política, mas veja que Jesus escolheu seus doze e ainda assim foi traído por um deles. Na política infelizmente tem disso, gente que trai partido, mandato e eleitores, mas isso não quer dizer que todos são assim. Ainda há nesse meio quem faz tudo para ser fiel ao povo.

Professor Emerson: Recentemente as reuniões da câmara mudaram de horário. Eram a noite e passaram a ser a tarde, durante a semana, dificultando o acesso do povo a uma casa que em teoria deveria ser dele. Como isso ocorreu? Quem defendeu essa ideia e quais os motivos alegados para justificar isso?

Charlles Adriano: Os vereadores que defenderam essa ideia foram os da situação. Em alguns debates o clima fica muito quente na câmara, entende? Então certas vezes eu, o vereador Dedê, o vereador João Henrique, usávamos certas palavras quando pedíamos informações ao executivo e eles barravam. E por essas palavras os vereadores da situação acharam que as reuniões deviam ser mudadas, pra prejudicar eu e o vereador Dedê. Esse foi um dos motivos, o segundo ponto foi o comentário que corre nas ruas, de que nós estávamos ganhando muito prestígio diante da população porque debatíamos muito, cobrávamos muito, mas cabe ao vereador fazer isso. Não é porque ele é de um lado que ele tem de baixar a cabeça e dizer: “sim senhor” e “não senhor”. Tem que dizer o que ele pensa e defender o povo e o interesse dele é o do povo, não o do prefeito. Infelizmente fomos mal interpretados e terminou mudando as reuniões para o horário de duas às cinco, o qual comparecem pouquíssimas pessoas. Eu mesmo admirava o atual presidente porque achava que ele faria um mandato diferente, mas está sendo pior que o dos outros.


Professor Emerson: Gostaria de falar sobre o Partido Vermelho em Venturosa. Por vezes eu mesmo fiz críticas construtivas ao modo como ele se organiza, mas as pessoas parecem não gostar desse expediente, nem de usar da autocrítica para ver onde erraram. Então, queria saber do senhor, enquanto vereador, como está organizado o Partido Vermelho hoje?

Charlles Adriano: Infelizmente não está como nós queríamos nem como o povo quer. Ao eleitor partidário, o eleitor do Vermelho: não estamos organizados como deveríamos estar. É muito complicado uma política em Venturosa, porque o que faz vencer uma política é trabalho. Tem também o assistencialismo que alguns fazem para se eleger e é uma carga muito pesada.

Se perguntarem tem um candidato do Vermelho hoje? Hoje não temos um candidato (natural), porque não se preparou para isso e para vir alguém do nada e querer lutar contra certas estruturas fica complicado. Agora estamos lutando para organizar o partido da forma correta. Temos até o dia 30 de setembro para organizarmos as filiações, ver quais partidos estarão conosco e a partir de outubro ver os caminhos que serão traçados.

Professor Emerson: O Partido Vermelho possui muitas lideranças. Isso é bom ou ruim? Chega a atrapalhar o partido?

Charlles Adriano: Ao meu ver não atrapalha, pelo contrário, enriquece o partido. Sabemos que existem divergências. Dentro do partido existem uns cinco grupos, mas quando chega lá na frente conseguimos nos unir em torno de um objetivo maior. E nossa esperança é essa, porque quando chega lá na frente, chegamos um grupo forte.

Professor Emerson: Voltando ao legislativo. O senhor tem apresentado algumas indicações interessantes. Qual delas o senhor destacaria para os cidadãos venturosenses?

Barragem da Ingazeira em Venturosa - PE
Charlles Adriano: Eu vou citar duas. Uma delas, se não me engano, foi a partir de uma matéria do seu blog onde informava que o governo do estado tinha liberado dinheiro para limpar o açude que abastece a Pedra e algumas cidades próximas de nós, então eu fiz a indicação e levei ao prefeito que encaminhou a todos os deputados que tiveram votos em nosso município, ao secretário de recursos hídricos, ao secretário de agricultura e ao governador. Esperamos que tenhamos resposta e que venham limpar nossa barragem, porque se hoje Deus mandar chuva, nós não temos onde juntar água para a população.

Professor Emerson: Quem são os vereadores mais atuantes em nossa cidade?

Charlles Adriano: Cada um deles tem a sua linha de atuação, mas hoje, ao meu ver, um dos vereadores mais atuantes é o vereador Nelcimar. Ele tem um dom de ajudar e as pessoas procuram ele, então ele se destaca numa determinada área, mas cada um tem sua maneira de atuar e o seu limite.

Professor Emerson: O senhor pretende se candidatar a mais um mandato?

Charlles Adriano: Pretendo, Emerson. Por quê? Porque nem todos os políticos são iguais. O povo tem o direito de votar em quem o defende, é quem é fiel a ele e ao seu partido.



Professor Emerson: Como fazer para que os mais jovens se interessem por política?

Charlles Adriano: O caminho que nós iniciamos no começo do nosso mandato era o convite para as reuniões da Câmara, tentar levar. A noite tinha o espaço, e muitos jovens iam a noite. E por conta desse horário que mudaram ficou muito difícil. Nós colocávamos o carro de som, convidava o povo e o povo ia, e grande parte, vinte  a trinta por cento, era de jovens. Era o caminho mais fácil pra que os jovens se interessassem pela política, porque vai chegar o tempo que será preciso outras pessoas, porque tem que renovar os quadros...

Professor Emerson: Se o senhor pudesse descrever a sua atuação como vereador em uma frase, qual seria?
Charlles Adriano: “O amigo de sempre, sempre fiel”.

Professor Emerson: Sobre nossa cidade, quais os principais problemas que Venturosa enfrenta hoje?

Charlles Adriano: Um dos maiores é a falta de água do nosso município, onde cabe a todos, prefeito e vereadores procurarem seus deputados, o governo do estado, tudo para resolver esse grande problema que é de todos nós. Outro problema que vejo é a saúde, o pessoal reclama muito de falta de médicos e nós já debatemos muito sobre quanto é oferecido a um médico aqui em Venturosa. O problema é o salário que é pouco, só querem pagar R$ 6.400,00 ao médico.
Outro problema: Fizeram a Vila Bacurau, o ex prefeito, mas não se preocupou com o saneamento básico. Quando chove, para todos que moram ali, é um Deus nos acuda, porque não tem como passar.  A questão de saneamento básico em nosso munícipio tem que ser cuidada logo.

Professor Emerson: Como um vereador pode ajudar a solucioná-los?

Charlles Adriano: Numa forma colaborativa, pois tudo que for de bom para a população de Venturosa, nenhum, posso lhe garantir, nenhum  vereador da oposição será contra.

Professor Emerson: Charlles, quero agradecer por ter concedido essa entrevista e gostaria que deixasse uma mensagem para os leitores desse blog.

Charlles Adriano: Eu quero mais uma vez agradecer pela oportunidade e quero agradecer, principalmente, a população de Venturosa que me confiou esse mandato e que estou sempre a disposição para servir, e espero que se sair candidato possa representa-la de novo, sem fazer distinção de A ou de B, pois independente de quem apresente o projeto, sendo bom para Venturosa, eu sempre estarei do lado do povo.


DEIXE AQUI O SEU COMENTÁRIO:

terça-feira, 21 de julho de 2015

EM ENTREVISTA, CIRO GOMES COMENTA QUADRO POLÍTICO NACIONAL E SE PÕE CONTRA O IMPEACHMENT.

Dilma precisa se reconciliar com quem a elegeu, diz Ciro Gomes. Assista.

21 de julho de 2015 | 08:40 Autor: Fernando Brito
ciroph
Dura, mas lúcida, a entrevista de Ciro Gomes a Paulo Henrique Amorim no Conversa Afiada.
São 14 minutos que merecem ser vistos na íntegra, e que atingem seu apogeu na fala final do ex-ministro.
“A…grande missão é fazer com que a Presidente Dilma caia em si o quanto antes, e se reconcilie com o povo brasileiro. Não adianta acreditar que se abraçando os nossos adversários eles vão fazer qualquer coisa minimamente digna…Eles não têm entranhas. E isso significa claramente tomar outro caminho na gestão da economia, na gestão da política brasileira”.
Ciro já perdeu muitas oportunidades políticas por, às vezes até com inabilidade, não cortar as verdades pelo meio e por não fazer concessões ao silêncio que a política, por vezes, impõe.
Mas como faz falta na política brasileira quem diga as coisas por inteiro…
Assista.

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO

sábado, 18 de julho de 2015

GOVERNADORES DO NORDESTE SE POSICIONAM CONTRA O IMPEACHMENT DE DILMA. O GOLPE PERDE SUAS FORÇAS

Nordeste enterra o golpe

18 de julho de 2015 | 14:12 Autor: Miguel do Rosário
 Outra boa notícia.
E mais uma vez vem do Nordeste.
O golpe de agosto ficou mais difícil.
A morte política, seguida de uma série de manifestações de descontrole, por parte do presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha, estragou tudo.
Com esta Carta de Teresina, assinada por todos os governadores do nordeste, incluindo vários da oposição, como Ricardo Vieira Coutinho (PSB, Paraíba), Paulo Henrique Saraiva Câmara (PSB, Pernambuco) e Belivaldo Chagas Silva (PSB, Sergipe), o golpe contra Dilma se esvazia.
O golpe contra Dilma, se houvesse, seria um golpe do sul, mais especificamente de São Paulo, contra o resto do país.
Ou seja, não seria um golpe, seria a deflagração de uma guerra civil, que evidentemente não interessa ninguém, nem para o Brasil nem para o resto do mundo, que tem grandes investimentos realizados no país.
Nem o Paraná entraria nessa, visto que o seu governador, Beto Richa (PSDB), está envolvido diretamente num grande escândalo de corrupção, além dos problemas decorrentes da violência que autorizou contra os professores.
*
Governadores nordestinos assinam carta de apoio a Dilma
SAB, 18/07/2015 – 12:20
ATUALIZADO EM 18/07/2015 – 12:26
Jornal GGN – Os governadores dos estados do nordeste divulgaram ontem (17) um manifesto rejeitando os pedidos de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.
Eles se reuniram no Piauí, onde lançaram a “Carta de Teresina”, defendendo a manutenção da presidente no cargo e pedindo recursos para as áreas de segurança pública, previdência, ciência e tecnologia.
“Não será pela via tortuosa da judicialização da política, da politização da justiça ou da parlamentarização forçada que faremos avançar e consolidar o processo democrático”, diz a carta.
O documento defendendo Dilma e o vice-presidente, Michel Temer, é assinado pelos governadores da oposição Ricardo Vieira Coutinho (Paraíba), Paulo Henrique Saraiva Câmara (Pernambuco) e Belivaldo Chagas Silva (Sergipe).
Com informações da Folha de S. Paulo

CIRO GOMES CRIA PÁGINA NO FACEBOOK: “EU EXIJO A RENÚNCIA DO EDUARDO CUNHA”


CiroCid

“Se o Cid saiu por falar a verdade, então como pode alguém envolvido no escândalo da Lava Jato presidir a Câmara dos Deputados do Brasil ?”

Ciro Gomes, irmão mais velho do ex-ministro da Educação, Cid Gomes, compartilhou no seu perfil pessoal no Facebook uma página que exige a renúncia do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB).
A página foi criada logo após Cid ter entregado o cargo à presidente Dilma Rousseff. Cid está descansando em Fortaleza. Não tem aparecido em público e evita a imprensa.
“Se o Cid saiu por falar a verdade, então como pode alguém envolvido no escândalo da Lava Jato presidir a Câmara dos Deputados do Brasil ?”, informa uma descrição curta sobre a página. Na última postagem, o gerenciador pede que compartilhem. “Já conseguimos três mil membros em menos de dois dias. Mas a página precisa atingir pelo menos 50 mil membros”, conclama.

quinta-feira, 16 de julho de 2015


JARBAS VASCONCELOS ENFRENTA EDUARDO CUNHA. "DITADOR"

Para Jarbas, Cunha é "ditador"

Bernardo Mello Franco - Folha de S.Paulo
Prestes a ser denunciado na Lava Jato, o deputado Eduardo Cunha contratou um marqueteiro para tentar melhorar a imagem. Valendo-se do cargo, ele convocou cadeia nacional de rádio e TV na noite desta sexta. No pronunciamento, fará propaganda de seus primeiros meses no comando da Câmara.
A tropa de Cunha diz que sua gestão é boa porque vota mais projetos do que as anteriores. A tese ignora o fato de que quantidade não equivale a qualidade. Na verdade, a pressa só tem servido para aprovar temas que interessam ao presidente da Casa.
Nesta semana, o peemedebista ganhou um crítico de peso: o deputado Jarbas Vasconcelos, ex-senador e ex-governador. Com a autoridade de quem sempre enfrentou os coronéis de seu partido, ele subiu à tribuna na última terça para dizer o que pensa da gestão Cunha. Foi implacável.
"Estamos trabalhando de forma precipitada e desordenada, atropelando discussões", disse o pernambucano. "O açodamento, a pressa e a desorganização passaram a marcar o dia a dia da Câmara. Não é correto trabalhar de forma medíocre e confusa, como foi feito neste semestre."
Para o deputado, as manobras de Cunha resultam em votações "precárias, interrompidas e remendadas". O resultado, afirmou, é "de uma mediocridade sem tamanho, longe do que anseia a sociedade brasileira".
Companheiro de Ulysses Guimarães no velho MDB, Jarbas disse à coluna que votou em Cunha para derrotar o PT, mas está chocado com seu "autoritarismo" na cadeira que foi ocupada pelo Senhor Diretas. "Estamos vivendo um momento de ditadura absoluta. Ele faz o que quer."


Jarbas decidiu protestar por causa do pronunciamento de Cunha na TV. Segundo ele, a propaganda será enganosa. "É uma esculhambação dizer que houve reforma política aqui", afirmou. O deputado disse que o momento é grave e pediu a reflexão dos colegas. "A gente não pode deixar ele ir à televisão para contar mentira. Temos que enfrentá-lo."