quarta-feira, 16 de abril de 2014

Pesquisa Vox Populi/ Carta Capital dá Dilma no primeiro Turno. Petista apresenta 40% das intenções de voto!


Grafico 1.jpg



Pesquisa Vox Populi / CartaCapital realizada entre os dias 6 e 8 de abril revela um cenário estável para a Dilma Rousseff (PT) a cerca de três meses do início da campanha eleitoral. A presidenta oscilou um ponto negativo em relação ao último levantamento, em fevereiro, e aparece como a candidata favorita de 40% dos eleitores. Juntos, os adversários somam 26% das intenções de voto. O cenário para a sucessão, portanto, praticamente não se alterou nos dois últimos meses, apesar do mau humor com a economia e da crise na Petrobras, alvo de embates por uma CPI no Congresso.

Em segundo lugar na pesquisa, o tucano Aécio Neves também oscilou um ponto para baixo. Em fevereiro, era lembrado por 17% dos eleitores. Hoje aparece com 16%. Eduardo Campos (PSB), que durante a semana anunciou a ex-senadora Marina Silva como a pré-candidata a vice em sua chapa, soma 8% (tinha 6% há dois meses). O Pastor Everaldo Pereira, pré-candidato do PSC, tem 2%.

Os pré-candidatos Levy Fidelix (PRTB), Randolfe Rodrigues (PSOL), Eymael (PSDC) e Mauro Iasi (PCB) não pontuaram. Votos brancos ou nulos somam 15%. O número de eleitores que não sabem em quem votar ou que não responderam a pesquisa é de 18%.

Nesta quinta-feira 17 serão divulgados todos os detalhes da pesquisa CartaCapital/Vox Populi.

Para a pesquisa, o instituto ouviu 2.200 eleitores em 161 municípios. A margem de erro é de 2,1 pontos percentuais. Os detalhes da pesquisa podem ser conferidos na edição impressa de CartaCapital, nas bancas a partir da quinta-feira 17

Deputado Júlio Cavalcanti (PTB) destaca sensibilidade de Dilma com Pernambuco




 O deputado estadual Júlio Cavalcanti (PTB) esteve durante toda esta segunda-feira (14) acompanhando os passos da presidente Dilma Rousself (PT) no Sertão pernambucano. Ao lado do senador e pré-candidato a governador, o senador Armando Monteiro, além do deputado federal João Paulo, pré-candidato a senador pelo PT, o parlamentar trabalhista participou da inauguração da Adutora do Pajeú.
A solenidade aconteceu em Serra Talhada, quando também foi feita a assinatura da ordem de serviço para a construção da segunda etapa da Adutora do Pajeú. O investimento nesta primeira fase, que tem extensão de 195 quilômetros, é de R$ 163 milhões. Entre os beneficiados estão nove municípios de Pernambuco e cinco da Paraíba. Mais de 112 mil pessoas serão atendidas com água de qualidade até setembro de 2015, período previsto para a conclusão.
A presidente também falou sobre a construção do Ramal do Agreste, orçado em mais de R$ 1,2 bilhão, indo até Ipojuca, em Arcoverde, beneficiado 70 comunidades e 73 municípios.
Para Júlio Cavalcanti, “as ações e projetos assinados pela presidente significam importantes passos rumo a segurança hídrica do sertão pernambucano. Obras que também chegam ao Sertão do Moxotó, aonde o governo Dilma está concluindo a nova adutora de Arcoverde, orçada em R$ 40 milhões”.
Para o deputado, “mais uma vez, a presidente de todos os brasileiros demonstrou o seu carinho por Pernambuco e seu povo. Parabéns presidenta Dilma, nossos povo saberá agradecer o cuidado e o carinho de seu governo por nosso estado”.
O parlamentar trabalhista ainda revelou que manteve contato com o ministro da Integração Nacional, presente ao evento, cobrando agilidade para a conclusão das obras da Adutora de Arcoverde. O mesmo pleito foi feito ao governador João Lyra Neto (PSB). (Arcoverde de Todos)

Daniel Coelho critica prisão de sargento sindicalista por cobrar diárias atrasadas da PM em blog e é apoiado por Teresa Leitão


do blog de  EM NOTÍCIAS
O deputado Daniel Coelho (PSDB) subiu à tribuna da Assembleia Legislativa, nesta terça-feira, para questionar o Decreto 3.639, de 19 de agosto de 1975, instituído no período da ditadura militar, que levou à prisão um sargento da Policia Militar de Pernambuco por conta de um texto publicado por ele em seu blog.
O sargento José Ricardo Ferreira de Lima, diretor da Associação de Policiais e Bombeiros Militares de Pernambuco, foi condenado a 21 dias de prisão pela corregedoria geral da Policia Militar de Pernambuco por ter feito críticas ao atraso no pagamento de diárias para os policiais que estiveram de serviço durante o evento PE Folia, em 2011. A partir desse texto, escrito em 29 de outubro de 2011, foi aberto um inquérito, que culminou na prisão do Sargento Ricardo desde 4 de abril deste ano.
Segundo Daniel Coelho, um decreto estabelecido em 1975, ainda no período da ditadura militar, que determinava a censura a todos os que faziam parte da PM, que não podiam fazer qualquer tipo de críticas à instituição, não pode ser aplicado nos dias de hoje.
“Trata-se do próprio princípio democrático. O sargento Ricardo está preso não como um criminoso, mas pela própria instituição da qual faz parte por ter feito críticas a problemas que ocorriam com pagamento de diárias. O sargento não fez críticas ao governo, nem aos coronéis, mas constatou um problema, como sindicalista, representante de classe que é”, destacou Daniel, que fez um apelo ao governador João Lyra Neto.
“Temos um governador que é um legítimo democrata. Faço aqui um apelo para que ele reveja, junto com a instituição, a aplicação deste decreto que tem sua origem na ditadura militar”, afirmou o deputado, que lembrou de uma portaria de 2010, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, que “assegura o direito de opinião e a liberdade de expressão dos profissionais de segurança pública, especialmente por meio de internet e blogs, à luz da Constituição Federal de 1988″.
“Dentro da democracia, é inadmissível que um decreto como este seja aplicado. É preciso que haja compreensão. Este é um processo que vem rolando desde o governo passado, o atual governador não tem nenhuma participação no que ocorreu. Por isso faço um apelo para que ele ajude a rever esta situação”, enfatizou.
Em aparte, Teresa Leitão (PT) fez eco à cobrança de Daniel. “Essa questão esta incluída naquilo que o ex-ministro Fernando Lyra (irmão do atual governador) chamava de entulho autoritário, que herdamos da ditadura e não conseguimos superar. Acho que vossa excelência tem razão em trazer esse debate, é uma lei que não está mais de acordo com a realidade”, concluiu.

Folha de São Paulo aposta contra a chapa de Eduardo Marina, apelidada de "Tapioca com Açaí"

A Folha de S. Paulo já aposta no divórcio do recém-anunciado casamento da “tapioca com açaí”, expressão usada por Marina Silva na oficialização de sua vaga como vice na chapa de Eduardo Campos (PSB) à Presidência. Leia:
Chapa de Eduardo Campos com Marina Silva ainda precisa provar-se capaz de harmonizar convicções e objetivos políticos díspares
Pesquisas, como se sabe, não ganham eleições, e nem sempre a lógica serve de guia para a tomada de decisões políticas. Mesmo assim, a aliança entre Eduardo Campos e Marina Silva parece ainda tão improvável e inorgânica como em seus primeiros dias.
No evento que oficializou a chapa do ex-governador de Pernambuco e da líder ambientalista, veio da própria Marina Silva um comentário bem-humorado sobre o exotismo da composição.
Seria "o casamento da tapioca e do açaí", disse a defensora da causa ambientalista, aludindo a pratos típicos do Nordeste e da Amazônia. Não que a mistura não seja nutritiva, e mesmo apetecível a paladares fartos do arroz com feijão lulista, para nada dizer do insosso chuchu até agora oferecido pelos chefes do PSDB.
Um crítico de gastronomia política mais intolerante poderia dizer, contudo, que tapioca e açaí não se harmonizam plenamente. Eduardo Campos procura apoio do empresariado e, para isso, bate na tecla desenvolvimentista. Marina Silva mantém uma mensagem essencial à sua própria identidade política e privilegia estratégias de atividade que preservem o ambiente.
Em tese, as duas visões não são incompatíveis. Falta, sem dúvida, mostrar na prática como isso pode acontecer --e de que modo, por exemplo, poderão compatibilizar-se as teses pós-liberais dos economistas ligados a Marina com as convicções da velha guarda esquerdista congregadas num dos pequenos partidos que apoiam Campos.
No lançamento da candidatura, Campos e Marina defenderam a redução do número de ministérios e criticaram o atual modelo de coalizões que concede a Dilma Rousseff sua instável base de apoio parlamentar. No governo pernambucano, todavia, Campos governou com uma panóplia de 14 partidos (Dilma comanda 11). Contava com 28 secretarias de governo, tendo reduzido seu número para 23 apenas em janeiro deste ano.
No plano estadual, PSB e marinistas divergem. O partido de Eduardo Campos, fiel ao pragmatismo, apoia candidatos do PSDB, do PT e do PMDB, conforme o caso. São outras as preferências dos militantes da antiga Rede, o partido que Marina não conseguiu fundar por não ter atingido o número de assinaturas exigido.
Os problemas nascem daí. Marina tinha um projeto político próprio e uma base eleitoral bem diversa daquela que vagamente se alinha a Campos, até há pouco identificada com o situacionismo petista.
O que não se cria como projeto político coerente tende a ser preenchido pelos marqueteiros. Resta saber se caberá a estes a responsabilidade pelo sucesso da receita.

segunda-feira, 14 de abril de 2014

DILMA LANÇA PETROLEIRO EM PERNAMBUCO E DÁ UMA CUTUCADA EM EDUARDO CAMPOS. Chegou a hora de mostrar os investimentos federais no estado e deixar que o povo conheça quem fez o quê.

domingo, 13 de abril de 2014

Paróquia de São José em Venturosa divulga programação para a Semana Santa


Reflexão para o Domingo de Ramos

Cidade do Vaticano (RV) - RealAudioMP3 O Senhor é aclamado como se faz a um general romano ou a um heroi egípcio quando de sua chegada à sua cidade, à sua terra, após uma gloriosa vitória.


Apenas algumas diferenças: o Senhor ainda vai consumar sua luta e, enquanto os vencedores trazem consigo o espólio dos vencidos e os próprios vencidos como troféus, será o Senhor o próprio espólio, o grande serviçal, o escravo de todos nós.
Esse gesto nos recorda um trecho da segunda leitura de hoje, da Carta de São Paulo aos Filipenses, que diz: “Não deveis fazer nada por egoísmo, ou para sentir-vos superiores aos outros, mas cada um de vós, com toda a humildade, considere os outros superiores a si mesmo, ninguém procure o próprio interesse, mas antes o dos outros.” O Senhor buscou apenas o nosso interesse, ou melhor, o interesse do Senhor é a nossa salvação.

Jesus entra em Jerusalém, montado em um jumentinho. Isso significa que entra na cidade que é sua para fazer com toda a Humanidade, uma missão de paz, ainda que essa paz tenha como preço sua própria vida.
Cristo entra em Jerusalém para entregar-se como oferta ao Pai, em nome de cada um de nós. Ele se coloca em nosso lugar e sofre as consequências que nosso egoísmo, nossa falta de amor e de perdão ocasionaram. Ele é o verdadeiro cordeiro pascal, a verdadeira vítima. Seu corpo é o pão e seu sangue é o vinho. Somos redimidos, para sempre, por seu sangue derramado. De fato, Jesus Cristo é o cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo.

Outro ensinamento, agora colhido da leitura da Paixão, este ano, a de São Mateus, é sobre a retaliação e a paz . Jesus impede que Pedro continue sua ação de punir o soldado que o ofendera e diz a ele: “Guarde a espada na bainha!” e cura Malcolm. Somos filhos da paz! Nosso Rei é o Principe da Paz, o Pacificador.

Que este início da Semana Santa nos comprometa com o projeto de Jesus para nós. Sejamos irmãos, sejamos filhos do mesmo Pai de nosso Senhor.
Que a humildade e a paz sejam nossos tesouros, recebidos através do sacrifício redentor do Filho de Deus!
Nossa libertação do egoísmo e da ira, da raiva, custou o sangue inocente de Jesus.
Valorizemos, com gratidão e amor, o sacrifíco do Senhor por nós.

Cesar Augusto dos Santos, SJ



Texto proveniente da página http://pt.radiovaticana.va/news/2014/04/12/reflex%C3%A3o_para_o_domingo_de_ramos/bra-790157
do site da Rádio Vaticano 

sábado, 12 de abril de 2014

Pesquisa de intenção de voto em Pernambuco dá Armando Monteiro na liderança!

michele












A REPORTAGEM É DO BLOG DE JAMILDO
O Instituto de Pesquisa Maurício de Nassau acaba de concluir a primeira pesquisa de intenções de voto sobre as eleições estaduais de 2014. O levantamento mostra que o senador Armando Monteiro Neto, do PTB, saiu na frente na corrida eleitoral deste ano em Pernambuco. O petebista tem 39% das intenções de voto, nas pesquisas estimuladas. A pole position do senador do PTB, eleito em 2010 na chapa majoritária do socialista Eduardo Campos, já era esperada. Leia também: Na corrida pelo Senado, João Paulo tem 29%. Fernando Bezerra Coelho aparece com 17% O economista Maurício Romão, um dos coordenadores do levantamento, observa que Armando Monteiro saiu na frente porque há pelo menos um ano é pré-candidato, além de ser um parlamentar bastante efetivo e atuante. “Como já conta com uma visibilidade midiática muito forte, a dianteira já era esperada. Armando Monteiro Neto ainda pode crescer mais, pois no levantamento mostra uma força no Recife, com 38% das intenções de voto”.
A grande surpresa deste primeiro levantamento da Nassau, entretanto, é o desempenho do candidato socialista Paulo Câmara, ex-secretário da Fazenda de Eduardo Campos. O socialista, que nunca disputou uma eleição, aparece com 12% das intenções de voto, nas pesquisas estimuladas. 34% dos entrevistados disseram que vão votar, branco, nulo ou em ninguém. Outros 15% afirmaram não saber ou não responderam. “O desempenho surpreendeu a gente. O patamar é elevado e expressivo. Em retrospecto, em 09 e 10 de julho de 2012, a pesquisa IPMN sobre as eleições municipais do Recife Geraldo Júlio tinha 6,8%, Humberto Costa 36%, Mendonça Filho 21% e Daniel Coelho 6%”, compara Maurício Romão.
“Em uma primeira pesquisa de opinião de 2008, da O&M, João da Costa tinha 4,3% e Cadoca 30%. Não quer dizer que todas as eleições seguem um mesmo padrão, mas este desempenho inicial mostra que Paulo Câmara tem grandes possibilidades. Na cidade do Recife, o socialista já tem 23% das intenções de voto”, diz.

um segundo cenário, com pesquisa estimulada, em que o nome da missionária Michele Collins, do PP, é apresentada como terceira opção, ao lado de Armando Monteiro Neto e Paulo Câmara, o socialista ainda sobe um ponto, atingindo 13%, o petebista não muda suas intenções e a vereadora do Recife pelo PP pontua com 3%. O baixo desempenho da evangélica, a se confirmar nos próximos levantamentos, pode acabar ajudando na travessia do PP para o palanque do senador Armando Monteiro Neto.
Neste cenário, brancos, nulos e nenhum dos candidatos soma 29%, enquanto 16% não sabem, não responderam.
Paulo Câmara é ajudado por uma série de fatores, como a boa avaliação do governo Eduardo Campos, uma penca de prefeitos aliados da gestão socialista, além de um exército de candidatos proporcionais que já estão pedindo votos para a chapa socialista.
Os números da pesquisa mostram que o petebista colhe os resultados de estar há mais tempo na estrada. Quando perguntados sobre que candidato o entrevistado mais tinha ouvido, assistido ou lido notícias nos últimos dias, Armando Monteiro é a resposta para 41% das respostas. Paulo Câmara tem apenas 10% neste quesito. Collins, só 3%. Nenhum deles teve 32% e não sabe não responder chegou a 14% das respostas.
Por região, o petebista aparece com a maior intenção de voto no sertão, com 51%. Justamente a mesma região em que Paulo Câmara tem a sua pior intenção de voto, com 5%.
A menor intenção de voto do petebista está na região do São Francisco, com 32% das intenções de voto. Nesta mesma região, Paulo Câmara detém 10% das intenções de voto.
Pesquisa espontânea
O senador Armando Monteiro Neto também lidera a pesquisa espontânea. De acordo com os dados da pesquisa da Nassau, se a eleição fosse hoje, o petebista teria 21% dos votos.
Neste cenário, com a introdução de nomes como Eduardo Campos (com 9%) e Dilma (com 2%), o socialista Paulo Câmara cai para 8% das intenções de voto. 19% dos entrevistados declararam que votariam em branco, nulos ou em ninguém. Outros 38% afirmaram não saber ou não responderam.
Dados técnicos
A amostra realizada pelo Instituto Maurício de Nassau foi encomendada pelo Portal Leia Já e publicada em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação>
Foi registrada junto à Justiça Eleitoral sob os números PE-00002/2014 e BR-00071/2014, no dia 3 de abril do corrente ano. As entrevistas foram realizadas nos dias 7 e 8 de deste mês, após o prazo final para desincompatibilização (5 de abril).
Ao todo, 2.448 pessoas residentes em Pernambuco foram consultadas. O número de entrevistas foi estabelecido com base em uma amostragem aleatória simples com nível estimado de 95% de confiança e uma margem de erro estimada em dois pontos percentuais, para mais ou para menos.
No universo de entrevistados, 53% foram do sexo feminino e 47% masculino. Quanto ao grau de instrução, o maior percentual (38%) foi entre aqueles que tinham o ensino médio completo ou superior incompleto. O menor (6,6%) foi entre os que tinham superior completo.
Em relação à renda individual, a maior parte das pessoas consultadas ganhava até um salário mínimo (47,7%). O menor, acima de cinco (1,8%). Quanto ao perfil empregatício, os empregados com carteira assinada foram maioria (32,2%). Predomina no universo de entrevistados a classe C 1 e 2 (58,5%).

LULA: "É HORA DE MOSTRAR QUEM É QUEM NA POLÍTICA"


Em mais um ato da pré-campanha de Alexandre Padilha ao governo de São Paulo, nesta sexta (11), o ex-presidente Lula conclamou a militância do PT a utilizar, cada vez mais a internet, para divulgar informações positivas sobre as gestões petistas; "Não temos a Rede Globo do nosso lado. Aliás, temos contra. Não temos os meios de comunicação nos defendendo. A gente só aparece no jornal com matéria negativa. Mas temos um instrumento que eles não têm: é a nossa capacidade de convencimento, aliado a algo maravilhoso que é a internet. Então, está na hora de discutir quem é quem na política brasileira. Vamos comparar o que era o Brasil antes de nós e o Brasil depois de nós", afirmou; ele disse que a eleição deste ano "vai ser uma luta", porque a oposição "não admite mais um mandato do PT na Presidência"
 247 - O ex-presidente Lula voltou a participar, nesta sexta-feira (11), das caravanas que o PT de São Paulo está fazendo pelo interior do Estado para divulgar a pré-candidatura de Alexandre Padilha ao governo. No ato de hoje, ele afirmou que "está na hora de discutir quem é quem na política brasileira". "
"Não temos a Rede Globo do nosso lado. Aliás, temos contra. Não temos os meios de comunicação nos defendendo. A gente só aparece no jornal com matéria negativa. Mas temos um instrumento que eles não têm: é a radio peão, é o boca-boca, é a nossa capacidade de convencimento, aliado a algo maravilhoso que é a internet. Então, está na hora de discutir quem é quem na política brasileira. Vamos comparar o que era o Brasil antes de nós e o Brasil depois de nós", afirmou o ex-presidente, ao estimular que os militantes petistas usem as redes sociais para defender a candidatura petista. 
Lula disse que a eleição deste ano "vai ser uma luta". "Eles não admitem mais um mandato do PT na presidência. Dizem que é demais. Dizem que 'esse Lula' ficou 8 anos e que 'essa Dilma' quer ficar oito anos e jã estão dizendo que 'esse Lula' vai ficar depois. Não vamos nos preocupar com isso. Vamos ficar lá enquanto vocês quiserem", afirmou.
Ao falar da disputa em São Paulo, o presidente disse que "está na hora do PT tirar desse estado um tucano que tem voo muito baixo e colocar uma estrela que tem um alcance mais alto". "Numa eleição temos que despertar esperança. Se não tivermos esperança a gente não consegue fazer nada. Temos que apresentar para as pessoas que não gostam do PT, que não têm confiança no PT, o que fizemos no Brasil nos últimos 11 anos", ressaltou. 
"Setores conversadores desse Estado agora estão com medo, porque o PT governa o Brasil com a Dilma, o PT governa governa a capital de São Paulo com o Haddad. Então, estão pregando um certo terrorismo de que não se pode permitir que o PT governe o Estado também, porque é muita cocada pro nosso povo", complementou.
Como faz em todos os discursos, o ex-presidente fez uma ampla apresentação dos principais programas do seu governo, em áreas como Saúde, Educação, Assistência Social, Reforma Agrária, Emprego e Previdência Social. "Lógico que não conseguiremos reparar em 11 anos problemas de 500 anos, mas não existe nenhum partido que conquistou orgulho de andar com a cabeça erguida com o nosso partido. Qual foi o partido que fez mais do que o PT neste país?", disse.
Lula também criticou o discurso da imprensa e da oposição envolvendo a inflação. "Sou contra a inflação, mas hoje temos uma inflação de 5,9% ao ano, mas quando eu era dirigente sindical - e não faz muito tempo -, era de 80% ao mês. Se tem alguém que é contra a inflação não são os tucanos nem a direita. Somos nós, a esquerda e os trabalhadores", afirmou. 
PADILHA
Ao discursar, o pré-candidato a governador do PT, Alexandre Padilha, repisou as críticas que tem feito ao governo tucano de Geraldo Alckmin. Criticou a crise no abastecimento da água, falou dos problrmas no metrô e acusou a atual administração de abandonar as regiões do Estado. "O atual governo, depois de 20 anos, parou de acreditar no potencial que cada regiao de São Paulo tem", disse.
Ao final do discurso, ao dizer que "chegou a vez do PT", Padilha fez uma previsão ousada. "A partir de 2015 é o PT que vai governar o Estado de São Paulo", encerrou, sendo ovacionado pela plateia de militantes petistas

"Copa prometida não é a que está sendo entregue", diz deputado.

Imagem67

O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), em entrevista à jornalista Mônica Bergamo e ao sociólogo Antonio Lavareda, a ser exibida no programa Ponto a Ponto deste sábado (12), à meia-noite, na Band News TV, diz que “foi prometida uma Copa do Mundo que mudaria a infra-estrutura do Brasil e deixaria um legado. Está sendo entregue uma Copa do Mundo que só favoreceu a determinados grupos econômicos e nem de longe melhorou a vida de quem mais precisa”.
Pré-candidato do partido à Presidência da República, Randolfe deixa claro que vai torcer pela Seleção Brasileira e pelo sucesso do evento.
“Claro que vou torcer pelo Brasil, mas não podemos perder de vista essa dimensão perversa que a Copa trouxe. Vamos inclusive apoiar quaisquer manifestações de rua, desde que sejam livres e pacíficas, afinal de contas do PSOL, ao contrário dos outros partidos, nasceu nesse tipo de evento”, diz.
Randolfe lembra que esteve há uma semana em Pernambuco, onde visitou a Vila São Francisco, em Camaragibe. “Cerca de 400 famílias que moravam no local há 40 anos foram retiradas de lá e ficaram sem qualquer contrapartida, abandonadas. Esse é um entre tantos exemplos de como a Copa não transformou como prometido a vida das pessoas”. Empolgado para o pleito de 2014, o senador afirma que o partido vai se colocar como opção ao eleitorado que está cansado do grupamento político que, em sua visão, se reveza no poder desde a redemocratização.
O Ponto a Ponto tem reprise no domingo (13), às 16h30, 20h30 e meia-noite.

sexta-feira, 11 de abril de 2014

Ariano Suassuna sobre Eduardo Campos: "O político mais brilhante que conheci'.

quarta-feira, 9 de abril de 2014

Alunos do Curso de Direito da UPE - Campus Arcoverde cobram providências das autoridades. O curso estaria sofrendo com a falta de estruturas adequadas.

UPE Campus Arcoverde
Curso de Direito
No dia 6 de setembro de 2011 inaugurava-se o primeiro curso de Direito da Universidade de Pernambuco. Várias eram as expectativas, muitas eram também as dúvidas e inseguranças acerca do futuro desse curso.  Situações normais diante do pontapé inicial dado pela UPE para interiorizar o curso de Direito.

Dois anos e meio já se passaram e os problemas que eram motivo de preocupação, mas que se acreditava que seriam resolvidos com o andamento do curso ainda persistem.
Para melhor explanar a situação atual da UPE – Campus Arcoverde será dividido em dois tópicos principais:

1-            Quanto à estrutura: o campus começou a funcionar na Autarquia de Ensino Superior de Arcoverde (AESA); Atualmente, está funcionando no prédio da Escola de Referência em Ensino Médio Senador Vitorino Freire. O prédio próprio da UPE está em processo de construção, mas pelo andamento, provavelmente, não será possível a entrega no prazo previsto, o qual seria em julho. 
 O prédio em construção tem como referência a estrada do deserto e o presídio da cidade de Arcoverde. Tendo em vista o difícil acesso até o local, como será visto nas fotos abaixo, nota-se a extrema necessidade de um planejamento e uma estrutura complementar a do campus. Ex.: A assistência do ônibus até o campus.



 2-           Quanto ao aspecto pedagógico: Desde o primeiro período, o curso encontra problemas devido ao déficit de professores. E com a entrada de novas turmas, o problema só vai aumentando e se tornando crítico. Sem contar que com a criação do Curso de Direito em Camaragibe também pela UPE, uma grande parte dos professores teve que se dividir entre Camaragibe e Arcoverde. Mesmo diante dessa situação, não há previsão para um concurso, nem uma seleção para professores.  Ainda sobre esse aspecto, poucos foram os convênios firmados com instituições jurídicas, tais como a OAB, a Defensoria Pública e o Tribunal de Justiça. Para o curso de Direito, há também a necessidade de um Núcleo de Prática Jurídica, pelo menos a partir do 7º período, porém, nada concreto ainda foi feito nesse sentido, apesar da primeira turma já está no 6º período.

Diante desse pequeno demonstrativo, várias reflexões são levantadas: Foi realmente planejada a interiorização do curso de Direito pela UPE? Ou foi apenas uma decisão política e de palanque? Ou apenas uma iniciativa para se criar o curso de Direito em Camaragibe?


O desejo e esperança dos alunos do curso de Direito do Campus Arcoverde é de uma educação de qualidade, comprometida com as pessoas e com a formação crítica. É serem levados a sério pelos órgãos, e consequentemente, pelas pessoas competentes para transformar a realidade vivenciada por eles. Não obstante, muito mais que conversas e acordos, os problemas só serão resolvidos com ações coerentes e tendo como finalidade o bem comum e o melhor encaminhamento do curso. 

Alunos do Curso de Direito do Campus Arcoverde.

Barragem da Ingazeira vai parar na TV. Quanto tempo ainda vai passar até aprendermos a lição?


Jornalismo informativo. É isso que programas de tv, rádios e blogs procuram fazer. E a partir da informação, levar as pessoas à reflexão, porque essa sim, pode se transformar em ação e mudar o quadro de algumas duras e tristes realidades.

Uma equipe de repórteres da rede Asa Branca visitou a cidade na última segunda-feira e produziu a matéria que foi ao ar ontem no ABTV. O vídeo com imagens da barragem da Ingazeira e depoimentos de moradores da cidade de Venturosa mostra o que cada um de nós sente nesse período de seca. A industria da seca tem se fartado com a necessidade do povo.

Há anos esse blog tem denunciado isso e pagado o preço da incompreensão de alguns. Centenas de famílias têm de escolher o que irão renunciar para poder arcar com a grande despesa da água, que a cada dia tem uma qualidade pior. Sofrem com doenças de pele e infecções causadas pela quantidade de bactérias e coliforme fecais presentes em águas de procedência duvidosa e que é vendida a preço alto! 

O governo estadual é ausente. A barragem já estava assoreada quando a seca teve início, em sua fundação o ponto mais profundo tinha 20 metros, em 2011 só contava com 9 metros. Quantos metros cúbicos de água foram perdidos, quantos serão quando ele voltar a ficar virtualmente cheia?

Outro problema não abordado pela reportagem: a situação dos rios dos Bois e Ipanema, que nutrem essa barragem. Estão com trechos completamente assoreados, suas margens desmatadas e ainda recebendo esgotos. O povo de Venturosa precisa conhecer essa realidade e cobrar urgentemente que o problema comece a ser tratado pelos governos municipal e estadual, cada um em sua esfera de competência.

A Compesa disse que a cidade conta com mais de dez caixas d'água. Onde? São aquelas azuis que recebem água de carros pipa? São suficientes e abastecidas periodicamente? Diz ainda que o procura cavar poços e fazer novas barragens. Quantos? Onde estão? A quem servem? E essa nova barragem? O projeto existe, mas tropeça numa burocracia infindável.

Alguns criticaram o trabalho da imprensa e as pessoas que concederam entrevistas, queriam elas darem a sua versão dos fatos, "defender" quem não foi acusado de nada e fazer apologia de políticos, tapando o sol com a peneira, porque para esses, tudo envolve partidarismo, mesmo quando o assunto é de interesse coletivo.

Caso o povo de Venturosa persista no caminho de ignorar os problemas com seus rios, reservatórios de água e a própria barragem da Ingazeira na espera das obras da transposição e da Adutora do Agreste pagará um alto preço num futuro não muito distante. Continuará a desperdiçar água, poluir rios e nascentes, se omitir na cobrança dos seus direitos na medida que confunde cidadania com politicagem e só perceberá o valor da água quando todas as sua fontes secarem.

Aqui o link para o vídeo:
http://g1.globo.com/pe/caruaru-regiao/abtv-1edicao/videos/t/edicoes/v/em-venturosa-moradores-estao-sem-agua-ha-tres-anos/3268083/